CIEB desenvolve proposta de itinerário formativo em cultura digital - PORVIR
peampath/foF

Inovações em Educação

CIEB desenvolve proposta de itinerário formativo em cultura digital

Documento reúne sugestões que combinam teoria e prática e que já estão alinhadas às 10 Competências Gerais previstas na BNCC

por Redação ilustração relógio 8 de janeiro de 2019

Com a reforma do ensino médio, que mudou a distribuição dos conteúdos de aprendizagem nessa etapa de ensino e criou os itinerários formativos, as escolas terão de adaptar seus currículos para oferecer opções interessantes aos estudantes. Neste cenário, o itinerário de cultura digital pode possibilitar um aprofundamento em seus estudos ou uma preparação para o mundo do trabalho.

Para apoiar os gestores públicos e educadores que tenham interesse em implantar esse itinerário, o CIEB (Centro para Inovação em Educação Integral) desenvolveu uma proposta que pode ser adotada na íntegra ou adaptada à realidade de cada instituição ou rede de ensino.

Para baixar:  Documento Itinerário Cultura Digital (CIEB)

O documento, resultado de uma parceria com o Ministério da Educação, faz parte do Guia de Implementação disponível no Portal do Novo Ensino Médio e também pode ser acessado abaixo, gratuitamente.

Alinhado às 10 Competências Gerais previstas na BNCC (Base Nacional Comum Curricular), o itinerário formativo em cultura digital une teoria e prática, trazendo ainda sugestões de materiais de apoio aos estudos. “Nos conteúdos, são abordados, por exemplo, atividades como oficinas de produção de audiovisual, modelagem 3D, entre outras tecnologias inovadoras”, explica Lidiana Osmundo, analista em educação que participou da elaboração do itinerário.

O itinerário, que pode ser aplicado em 400 horas, está organizado em unidades compostas por módulos. Os módulos básico e intermediário são voltados à preparação para o ensino superior e para o trabalho. O módulo avançado permite que as redes ofereçam, de acordo com usa capacidade, temas em nichos específicos de mercado. É importante frisar que os módulos e as unidades curriculares podem ser desenvolvidos de forma transversal, por docentes de diversas áreas do conhecimento, bastando distribuir as habilidades sugeridas nas áreas e nos componentes curriculares existentes.


TAGS

base nacional comum curricular, competências para o século 21, educação mão na massa, ensino médio, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação