Com história em quadrinhos, professora conecta inglês e biologia - PORVIR
James Thew/Fotolia.com

Diário de Inovações

Com história em quadrinhos e humor, professora conecta inglês e biologia

No projeto em grupo, alunos constroem narrativas em inglês usando como base conteúdos ligados à saúde e ao meio ambiente

por Michele Maria Nasser Cavalheiro ilustração relógio 9 de janeiro de 2019

O projeto interdisciplinar “Microbiology viral: um estudo narrativo de caso do Inglês por Biologia à Literatura” surgiu da ideia de integrar disciplinas, que à primeira vista não dialogam entre si – biologia, literatura e inglês –, extrapolando o limite físico da sala de aula e mostrando aos estudantes que o aprendizado integrado é produtivo, divertido e traz resultados surpreendentes.

Como professora de inglês, no Colégio Nossa Senhora Medianeira, em Curitiba (PR), procuro mostrar aos estudantes a importância da língua estrangeira não apenas no ambiente escolar, mas no desenvolvimento pessoal e profissional de cada um. Então, pensei que juntar disciplinas que normalmente não dialogavam em um projeto comum era desafiador e despertaria interesse dos adolescentes e os faria concluir que todo o conhecimento está interligado, basta saber observar. Que tal trabalhar o assunto microbiologia em inglês e literatura de forma no mínimo curiosa: produzindo charges em inglês e HQs (história em quadrinhos) sobre microbiologia com criticidade e humor?

Leia mais:
– 8 ideias para desenvolver projetos interdisciplinares na escola
Como aplicar a metodologia de projetos: as vantagens e elementos essenciais
– Práticas pedagógicas: como promover a aprendizagem de adolescentes do século 21
– 7 ferramentas para criar história em quadrinhos com os alunos

O projeto é feito em duas etapas: primeiro a produção de charges em inglês sobre vírus/bactérias/fungos/algas e protozoários e, depois, a produção de uma história em quadrinhos. Autonomia sempre presente desde o início: os estudantes se dividiram em grupos, obrigatoriamente mesclando os dois níveis de inglês do colégio, e escolheram qual a tarefa assumiriam diante do grupo: coordenar a produção, ilustração, tradução/versão, etc.

Cada membro ficou responsável ao mesmo tempo pelo trabalho inteiro e por coordenar partes específicas, cobrando atuação e atuando de forma igual. A integração, a dinâmica, a cooperação entre os grupos funcionou de forma efetiva: os líderes natos conduziram os  trabalhos com competência, houve integração de opiniões e ideias e a produção final surgiu acordo com decisão do grupo, sem imposição individual.

Em uma atividade recente, os estudantes desenvolveram uma história em quadrinhos na qual tiveram que caracterizar personagens de acordo com um estudo de caso que escolherem. A biologia oferece conteúdo e casos para os estudantes escolherem e construirem a narrativa das personagens envolvidas. Podem usar o Inglês? Sim, of course! E as figuras de linguagem e etapas da narrativa têm força em inglês também. E onde entra a biologia? Bem, as personagens da história em quadrinhos desenvolvem a doença escolhida. Ou passam pela doença. Ou somente experimentam sintomas leves. Mas para a doença estar presente, precisamos do ambiente, das condições propícias, dos sintomas… o conhecimento está interligado!

Os estudantes produziram um material riquíssimo. Charges que criticam, de forma humorada e inteligente, situações cotidianas de nossa sociedade no contexto de microbiologia: dengue, poluição dos rios, produção de oxigênio por algas, infecções, combate às doenças, comparando situações políticas (macrocosmo) com movimentos microbiológicos (microcosmo), e por aí.

As charges e as histórias em quadrinhos mais significativas foram apresentadas na forma de banners em formato de Comic Book à comunidade durante o evento “Feira do Livro”, em agosto, no Colégio, e em novembro, durante o evento “Feira do Conhecimento”, além de receberem destaque em matéria específica no site e na página do Facebook. Incentivo para os estudantes que produziram e para os que virão, além de reconhecimento da importância do trabalho em equipe. E o prazer de ser professora e ver o conhecimento acontecendo, efetivamente.


Michele Maria Nasser Cavalheiro

Graduada em letras inglês/português pela UFPR (Universidade Federal do Paraná), pós-graduada em metodologia no ensino de português pela UNINTER (Centro Universitário Internacional) e no ensino de língua inglesa pela Estácio/Bridge. Professora de inglês no Colégio Nossa Senhora Medianeira, em Curitiba (PR). Tem 20 anos de docência.

TAGS

aprendizagem baseada em projetos, aprendizagem colaborativa, autonomia, competências para o século 21, educação mão na massa, ensino fundamental, tecnologia

1
Deixe um comentário

avatar
500
1 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
1 Autores
Dirce RIBEIRO DE OLIVEIRA Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Dirce RIBEIRO DE OLIVEIRA
Visitante
Dirce RIBEIRO DE OLIVEIRA

Como que são 4 pessoas no projeto e ela fala como se tivesse trabalhado sozinha? Falta de ética não considerar os demais membros da equipe.