Ensino híbrido amplia possibilidades de escolha dentro de Projetos de Vida - PORVIR
Crédito: Photo by Allison Shelley/The Verbatim Agency for EDUimages

Coronavírus

Ensino híbrido amplia possibilidades de escolha dentro de Projetos de Vida

O componente do Novo Ensino Médio deve buscar formas de apoiar o estudante no processo de fazer escolhas. Tecnologia pode ser usada para ajudar na busca por informações e nos conhecimentos sobre si e sobre o mundo

Parceria com Conexia

por Fernanda Nogueira ilustração relógio 6 de outubro de 2021

A criação de um ambiente em que estudantes e professores se sintam à vontade para compartilhar o que pensam e o que sentem é essencial para o trabalho com Projetos de Vida no Novo Ensino Médio. Isso é mais fácil de ser feito no presencial, mas também pode acontecer no contexto do ensino híbrido, assim como no remoto.

O trabalho com Projetos de Vida deve explorar temas a partir da realidade dos alunos, segundo Daniellen Zwierzynski, diretora de programas bilíngues da Conexia Educação. “O ensino híbrido favorece muito esse aspecto. Isso acontece quando trabalhamos um assunto específico do tema mundo do trabalho, onde apresentamos o conteúdo a partir de vídeos, textos, charges e os alunos montam uma representação imagética.”

O programa “My Life”, da Conexia Educação, por exemplo, trabalha Projetos de Vida de forma digital. “Apresentamos no aplicativo a parte de problematização e os recursos que embasam o tema e a partir daí os alunos trabalham, de forma colaborativa, presencialmente ou até mesmo em grupos online”, explica Daniellen.

É importante garantir que as aulas apoiem os jovens a avançar na construção e na consolidação de seus projetos de forma inclusiva, envolvendo todos nos processos, segundo Samuel Andrade, líder da Frente de Materiais Pedagógicos do Instituto Iungo.

“É essencial respeitar a diversidade e a diferença da turma. Quando planejar como envolver os estudantes no contexto híbrido, a escola não pode deixar de levar em conta aspectos relacionados ao acesso às tecnologias digitais, acesso à internet, com cuidado para não propor atividades que vão incluir alguns e deixar outros de fora.”

Outra questão importante é pensar quais tipos de atividades e percursos formativos funcionam melhor no contexto presencial, quais podem funcionar bem no contexto remoto e quais se beneficiam da lógica híbrida.


Leia mais


“Para isso, é importante conhecer a turma, quem são os estudantes, como eles estão no processo de construção dos seus Projetos de Vida, na forma como conhecem a si mesmos e olham para o mundo ao redor. Tudo isso é muito fundamental para os educadores construírem bons planejamentos de trabalho.”

Projetos de Vida tendem a tocar em assuntos particulares dos jovens, de acordo com Samuel, relacionados à família, às relações com outras pessoas e com outros territórios, a seus futuros profissionais, a suas crenças religiosas e aos seus valores.

“Por isso, é tão importante que se crie um ambiente de diálogo e abertura. No contexto remoto, já ouvimos muitos relatos de estudantes que se sentiam desconfortáveis de falar sobre alguns assuntos quando estavam em casa, por não sentirem que gostariam de compartilhar isso com as pessoas que estavam em casa, de saber que algumas pessoas que estariam lá poderiam ouvir suas falas. Isso, em alguns momentos, pode ter travado a realização de algumas atividades. Estes são cuidados que se deve ter quando se pensa no trabalho com Projetos de Vida no ensino híbrido”, reforça Samuel.

Escolhas
Os Projetos de Vida falam sobre o processo de escolha de cada jovem.  Estas escolhas, segundo Samuel, não se dão apenas no âmbito profissional, mas também no pessoal e social.

“Mais do que falar sobre o que cada um quer ser no futuro, quando falamos de Projetos de Vida, falamos sobre como cada um quer viver, de acordo com seus interesses, valores, com aquilo que cada um acredita que é bom para si. Para que isso ocorra, é preciso que cada um conheça a si mesmo e também conheça sua comunidade, seu território, o mundo ao redor, e que possa ampliar seu universo de possibilidades, conhecer caminhos possíveis a seguir.”

Nesse sentido, as tecnologias podem ampliar os processos de escolha. É preciso, porém, ficar atento para a desigualdade de acesso às tecnologias digitais e de letramento digital.

“Não podemos perdê-las de vista, mas é inegável também que a internet possibilita que a gente tenha contato com outros mundos, outras possibilidades, outras narrativas, histórias de outras pessoas, alguns acontecimentos, que, muitas vezes, chegariam a nós de forma um pouco limitada ou sequer chegariam a nós. É justamente por ampliar esse horizonte de possibilidades, de conhecimentos que nos é permitido acessar que acho que as tecnologias são tão interessantes para nos apoiar nos processos de fazer escolhas”, afirma Samuel.

Ferramentas digitais podem ajudar no processo de escolha, segundo Daniellen. “Promover o protagonismo e a reflexão é essencial. A tecnologia auxilia bastante neste sentido, com a possibilidade de gravação de vídeos e o trabalho com estudos de caso, entre outros.”

Profissões
O uso da tecnologia, segundo Daniellen, proporciona o contato com boas referências, traz informações e conteúdos de qualidade. “O ensino híbrido pode ajudar e muito a ampliar as possibilidades de um trabalho consistente em diversas áreas do conhecimento, inclusive personalizado, levando em consideração a gama de atividades que podem ser propostas.” Alguns temas que podem ser trabalhados são: escolha profissional, saúde, uso do tempo, cultura, meio ambiente, governança e padrão de vida.

É importante que a escola busque formas para apoiar os estudantes, de acordo com Samuel, para que eles mesmos possam buscar conhecimentos nas áreas profissionais, acadêmicas e de impacto social, se relacionarem com esses conhecimentos e entenderem aquilo que é relevante para si ou não.

“Penso muito nisso quando falamos no trabalho com a metodologia baseada em projetos no contexto escolar, que envolve os estudantes em processos que exigem pesquisa, exigem um mergulho em discussões conceituais e permite a eles conhecerem, mas também intervirem em contextos profissionais, acadêmicos e de impacto social, que se relacionam aos seus Projetos de Vida, aos seus interesses e aos seus territórios.”

Engajamento
A professora Carla Cristina da Silva Cabrero, do Colégio Estadual Chico Anysio, no Rio de Janeiro, usa o ensino híbrido por meio de plataformas para trabalhar com Projetos de Vida. Para alcançar os estudantes que não têm acesso à internet, as atividades também são oferecidas em apostilas. A disciplina faz parte do currículo da escola, que é de horário integral, e é trabalhada uma vez por semana com todas as turmas do ensino médio.

“Proponho leituras, vídeos, criações para trabalharem com as competências socioemocionais, como colaboração, criatividade e comunicação. Desde o ano passado eles começaram a fazer vários trabalhos que me surpreenderam por conta do engajamento. Achei que não fosse ter tanto retorno, mas tive.”

Para falar de áreas profissionais, a professora propõe pesquisas, discussões sobre reportagens, simula feiras de profissões e entrevistas de emprego. Faz ainda atividades de reflexão sobre impacto social. Ela analisa com os alunos realidades consideradas difíceis, como a vida e o comportamento em comunidades. “Eles comparam com a própria realidade.”

“Tive uma turma que trabalhou bastante a simulação de busca profissional. Pouco tempo depois um dos meninos foi a uma entrevista. Ele retornou e disse que tinha lembrado muito da aula. Usou o que treinamos, de olhar no olho do empregador, não ficar nervoso, não demonstrar ansiedade, apresentar calma e serenidade. Tenho muitos depoimentos de alunos que falam sobre seus Projetos de Vida, sobre o que se tornaram, como aplicam as competências socioemocionais na faculdade e no trabalho. É bem bacana ter esse feedback deles”, conta Carla.

Quer saber mais sobre ensino híbrido?
Clique e acesse

Conexia

TAGS

competências para o século 21, ensino fundamental, ensino híbrido, ensino médio, personalização, projeto de vida, socioemocionais, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação
X