Escola em Heliópolis implanta república de alunos - PORVIR
crédito deviant Art / Fotolia.com

Como Inovar

Escola em Heliópolis implanta república de alunos

Diretor implanta modelo que aposta na participação dos alunos e transforma relação com comunidade

por Patrícia Gomes ilustração relógio 19 de outubro de 2012

Quem ouve o prefeito, os secretários e os vereadores falarem não acredita. Explicam em pormenores como tudo funciona, resolvem conflitos, debatem assuntos de interesse de seus pares, escutam suas reivindicações, discutem como encaminhá-las. Em tempos de eleição, daria até para pensar que o grupo é formado por políticos vencedores do primeiro turno já montando suas equipes. Mas não. São alunos com idades entre 10 e 15 anos, eleitos para serem os primeiros gestores da república de crianças recém-constituída na Emef Presidente Campos Salles, escola pública localizada em Heliópolis, segunda maior favela de São Paulo, que se inspirou na Escola da Ponte para adotar um modelo de educação democrática.

Na república da Campos Salles, as crianças eleitas têm poder de decisão, inclusive em assuntos que os alunos nem sempre são benvindos, como questões administrativas e regras gerais de funcionamento da escola. E o que eles decidem, se for viável, tem poder de lei. A escola tem um prefeito, Wilas de Arruda,15, e quatro secretários responsáveis pelas áreas de Cultura e Esporte, Comunicação, Convivência e Diversidade, Saúde e Meio Ambiente. Além de cerca de 30 vereadores e suplentes. Todos responsáveis por se envolver na gestão de uma escola com 1.100 alunos de ensino fundamental.

crédito Porvir

A primeira ação dos vereadores foi a elaboração de três espaços para, segundo os próprios pequenos gestores, “dar mais voz aos alunos”, a árvore de sonhos, o muro das lamentações, a caixa de sugestões. Por enquanto, só a árvore de sonhos ficou pronta – os vereadores e o prefeito colheram galhos pelo terreno da escola e terminaram a confecção ontem mesmo. Nela, os alunos devem pendurar seus desejos, algo que gostariam de alcançar – e aí vale qualquer coisa, desde uma aula diferente que têm vontade de ter até um bem coletivo para a escola. “Se alguém quiser sugerir a cobertura da quadra, por exemplo, é só escrever na árvore que nós vamos discutir para ver se dá para fazer”, explica Jackson da Silva, 11, secretário da Cultura e do Esporte.

A república das crianças não é um contexto isolado de participação dos alunos na Campos Salles. Desde 2005, a escola vem adotando processos de ensino que buscam empoderar as crianças e compartilhar com elas a responsabilidade de gerir a escola. Quem capitaneia o modelo, chamado pelos professores apenas de “projeto”, é o diretor Braz Nogueira, à frente da escola há 17 anos. Para entender como foi a implantação da educação democrática, no entanto, é preciso voltar no tempo. “Hoje a escola está muito diferente. Duas horas depois de eu chegar, em 1995, eu coloquei as mãos na cabeça e perguntei: ‘o que eu estou fazendo aqui?’”, conta o diretor.

Escola da comunidade

A época era outra, diz Braz. Heliópolis convivia com a violência, as chacinas eram recorrentes e os traficantes haviam imposto um toque de recolher. Foi uma tragédia, o assassinato de uma aluna do turno da noite nas imediações da escola na saída da aula que fez tudo começar a mudar, lembra o diretor. “Aquela morte me revoltou. Eu percebi que nós estávamos sendo omissos.” Ainda no velório, ele começou a conversar com professores e lideranças locais para convencê-los de que era preciso fazer alguma coisa.  “A gente não podia mais aceitar a banalização da violência”, diz o diretor, que convocou uma caminhada pela paz nas ruas favela. O movimento começou pequeno, mas, ano após ano, foi ganhando força e trazendo a comunidade para dentro da escola.

Nos anos que se seguiram, do fim da década de 90 ao início dos anos 2000, a Campos Salles passou a consolidar sua boa relação com o entorno e foi se tornando um modelo. Em 2002, conta Braz, outro episódio colocou essa relação à prova. Cerca de 20 computadores novos foram roubados de dentro da escola. “Saí pelas ruas e pelos bares de Heliópolis dizendo: não foi a escola que foi roubada. Foram seus filhos!”, lembra. Dias depois, ele foi abordado por alguns rapazes que disseram que devolveriam os computadores na rua de trás da escola. Dito e feito. Recuperou os computadores.

crédito Emef Presidente Campos Salles / Divulgação

O projeto

A boa relação com a comunidade, porém, ainda não se refletia na relação entre alunos e professores. “O estudante ainda não era visto como um ser integral, capaz”, lamentava Braz, que fazia uma pós-graduação e resolveu, como projeto final, adaptar e implantar as ideias da Escola da Ponte na Campos Salles. “Lá eles tinham 180 alunos e era turno integral. Aqui tínhamos mais de mil e quatro turnos. E se o caos se instalasse?”, temia Braz, que foi buscar ajuda na Emef Desembargador Amorim Lima, escola da mesma rede e que já adotava a metodologia. Nos anos de 2006 e 2007, a escola começou a mudar a sua abordagem pedagógica.

Em vez da sala de aula clássica, as turmas passaram a ser divididas em grupos. No lugar da aula expositiva, as atividades seguiam um roteiro de estudo, em que os próprios alunos deveriam buscar informações e construir seu aprendizado. O Ideb da escola aumentou, tudo ia bem, mas elas ainda estavam lá: as paredes. “No final de 2007, chamei m grupo de professores e perguntei se eles apoiavam que eu tirasse as paredes das salas. Eles disseram que sim. Quando voltaram, no outro ano letivo, eu tinha derrubado tudo.”

Todos os professores devem saber o que os colegas estão trabalhando em seus roteiros. Se não souberem, têm que buscar a resposta ou com os colegas ou com alunos do salão que tenham solucionado o problema.

Braz transformou as salas de aula das mesmas séries em quatro grandes salões, cada um com mais de cem alunos, que sentam em grupos de até quatro pessoas. Os roteiros de todas as disciplinas são entregues, em média, uma vez por mês. O professor da disciplina faz uma orientação específica e deixa os roteiros com os alunos, que vão cumprindo as atividades na ordem que acham melhor. Quando têm dúvida, procuram os colegas do grupo ou os professores – ficam, pelo menos três por salão – para tirar as dúvidas.

Mas e se não tiver um professor da disciplina que os alunos estão com dúvida? “É exatamente isso que faz o projeto ser revolucionário”, diz o diretor. “Todos os professores devem saber o que os colegas estão trabalhando em seus roteiros. Se não souberem, têm que buscar a resposta ou com os colegas ou com alunos do salão que tenham solucionado o problema.” Com mais autonomia, os estudantes são estimulados a descobrirem o que gostam mais de fazer, a entenderem seus sonhos. “Antes, a gente perguntava para os alunos o que eles queriam ser e eles não sabiam. Hoje, todo mundo tem um sonho e sabe qual ele é”, afirma o diretor.

O formato, claro, causou estranheza no início e até hoje tem quem goste e se adapte e tem quem não goste, sejam alunos e professores. “Aqui está nascendo um novo professor e um novo aluno. Mas todo parto é doloroso”, diz Braz, que já poderia estar aposentado há quatro anos, mas segue no comando da escola.


TAGS

educação democrática, educação integral, ensino fundamental, ensino médio, personalização, sustentabilidade

15
Deixe um comentário

avatar
500
12 Comentários ao conteúdo
3 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
15 Autores
Luis JunqueraMaria Sirley dos SAntosVitor OliveiraSueli de LimaCarmen Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Luis Junquera
Visitante
Luis Junquera

Esta escola é incrível. O Braz é maravilhoso.

Excelente reportagem.

Gil dos Santos Neto
Visitante
Gil dos Santos Neto

Conheço os resultados da Campos Salles e da Amorim Lima mas, sei que há muitas Escolas revolucionando com modificações estruturais, onde seus diretores e professores têm essa coragem, apesar dos pesares.O Braz e todos seus colaboradores estão de parabéns e epero que motivem todo o Sistema de Ensino, ao acompanhamento das transformações da sociedade.É preciso muita coragem para tanto.

Vitor Oliveira
Visitante
Vitor Oliveira

Que os resultados da iniciativa sejam tão legais quanto a iniciativa em si. Será ótimo ver uma reportagem de acompanhamento do projeto daqui a algum tempo, Porvir.

Luis Junquera
Visitante
Luis Junquera

Esta escola é incrível. O Braz é maravilhoso.

Excelente reportagem.

Carmen
Visitante
Carmen

Esse tipo de atitude por parte dos educadores faz a diferença em uma escola. A busca pela participação da comunidade na escola faz com que não só o aluno como também sua afamilia se sintam membro da escola. E isso faz toda a diferença.

Vitor Oliveira
Visitante
Vitor Oliveira

Que os resultados da iniciativa sejam tão legais quanto a iniciativa em si. Será ótimo ver uma reportagem de acompanhamento do projeto daqui a algum tempo, Porvir.

Carmen
Visitante
Carmen

Esse tipo de atitude por parte dos educadores faz a diferença em uma escola. A busca pela participação da comunidade na escola faz com que não só o aluno como também sua afamilia se sintam membro da escola. E isso faz toda a diferença.

Sueli de Lima
Visitante
Sueli de Lima

Boa noticia, tudo é possivel, o toque de magica: compromisso. Parabens a escola!

Sueli de Lima
Visitante
Sueli de Lima

Boa noticia, tudo é possivel, o toque de magica: compromisso. Parabens a escola!

Maria Sirley dos SAntos
Visitante
Maria Sirley dos SAntos

PARABENS PREZADOS EDUCADORES. MORO EM SANTOS MAS GOSTARIA DE CONHECER A ESCOLA. UM ABRAÇO SOLIDARIO

Maria Sirley dos SAntos
Visitante
Maria Sirley dos SAntos

PARABENS PREZADOS EDUCADORES. MORO EM SANTOS MAS GOSTARIA DE CONHECER A ESCOLA. UM ABRAÇO SOLIDARIO

Celso Andrade
Visitante
Celso Andrade

Que saudades do meu grande mestre. Simplismente o melhor professor que tive. Ao Braz meu carinho, respeito e admiracao eterna. Sempre ousado e eficiente em seus metodos de ensino. Me apaixonei por Geografia devido a ele e por matematica devido a sua esposa Arlete.

Marcio Alexandre Rodrigues Netto
Visitante
Marcio Alexandre Rodrigues Netto

temos que espalhar e difundir esse modelo para todo o pais com urgencia….. para ontem

Rita de Kássia
Visitante
Rita de Kássia

É verdade, temos urgência para que esse plano funcione em todas as escolas do Brasil.Eu tenho um filho, de 15 anos que está no 2º ano do ensino Médio, mais só Deus e eu sabemos como foi difícil traze-lo até aqui, pois ele sempre se queixou do método de ensino. Talvez se ele tivesse estudado em uma escola com esse método de ensino teria sido mais fácil.

Clebson Carvalho
Visitante
Clebson Carvalho

Sempre comento o exemplo do Diretor e professor Braz, sou seu fá, sou gestor de Educação fico triste quando roubam um mobiliário e equipamento de TI, e o diretor pede mais um vigilante é triste a pura falta de gestão e de capacidade de envolver a comunidade na escola para que ela sinta a escola como de fato. Sua