Escola na Califórnia funciona como laboratório ecológico - PORVIR
Crédito: Muse School

Como Inovar

Escola na Califórnia funciona como laboratório ecológico

Na Muse School, iluminação é solar, alunos são incentivados a usar transporte coletivo e dieta é baseada apenas em vegetais

por Fernanda Nogueira ilustração relógio 24 de fevereiro de 2016

Criada em 2005, a Muse School, na Califórnia, comemorou de forma sustentável seus dez anos de existência. Após fazer um levantamento sobre o tema em 2014, a escola passou a implantar medidas para diminuir seu impacto ambiental. A mais importante delas foi uma mudança no cardápio do restaurante, que passou a ser baseado inteiramente em vegetais. Entraram mais frutas e legumes. Saíram carnes, ovos e laticínios. Segundo a escola, é a primeira dos Estados Unidos que serve esse tipo de refeição.

O programa, chamado “Uma Refeição por Dia para o Planeta”, tem o objetivo de reduzir os gastos de água e de carbono da escola. “A escolha da comida é a forma mais eficiente de reduzir nosso impacto no ambiente. A dieta típica americana usa 10 vezes mais terra do que uma dieta baseada em vegetais. Com uma refeição à base de vegetais por dia, o americano médio pode reduzir seu gasto total de água de 55.613 galões, cerca de 17 banheiras cheias de água”, registra a escola, em seu site.

Outras melhorias feitas a partir de 2014 foram o aumento do uso de comida produzida em seus dois campus, uma forma de reduzir o transporte de alimentos, o encorajamento da carona e do uso de transporte coletivo, a instalação de painéis solares, a instalação de sistemas de irrigação eficientes nos jardins, o monitoramento de recursos diariamente, para promover a consciência dos estudantes, e a criação de projetos de estudos sobre comida, energia e água.

freela 2Crédito: Muse School

Em formato de flor, os cinco painéis solares da escola foram desenhados pelo diretor de cinema James Cameron, marido da fundadora da escola, Suzy Amis Cameron. Além de gerarem mais de 90% da energia necessária para o campus onde estão instalados, eles são usados pelos alunos em pesquisas sobre design, engenharia, construção e matemática.

A ideia de uma escola ecológica nasceu em 2005, quando Suzy, que é ativista ambiental, decidiu que queria educar a quinta filha em uma escola sustentável, com estudos voltados para suas paixões e com respeito a sua individualidade. A Muse foi criada em parceria com sua irmã, Rebecca Amis, que já tinha trabalhado na implantação de escolas e tinha formação em desenvolvimento infantil e psicologia, além de experiência como professora na educação superior.

A Muse começou com 11 alunos que iam do jardim da infância ao primeiro ano. As aulas aconteciam em uma sala de aula pequena, mas com um ambiente centrado nas crianças em Malibu, na Califórnia. Hoje, tem 179 alunos, em dois campus localizados na cidade de Calabasas, com crianças a partir de dois anos de idade até turmas de ensino médio.

A visão da escola combina os preceitos de uma educação inovadora, voltada para o ensino sem medo, que cultiva os interesses dos estudantes de forma colaborativa e com preocupações ambientais. Os campus funcionam como laboratórios de estudos ecológicos.

feela 4Crédito: Muse School

Na sede para as crianças mais novas, as salas de aula usam luz natural e ar fresco. A construção utilizou material atóxico e próprio para proporcionar conforto térmico. O prédio tem pisos feitos com madeira recuperada, vasos sanitários com controle de vazão, sistemas de aquecimento e de resfriamento eficientes e sistemas de filtragem de água. O campus para alunos mais velhos foi pintado com tinta livre de produtos químicos voláteis. As salas de aula têm iluminação natural e piso de bambu. O terreno tem plantas nativas.

O currículo também valoriza as práticas sustentáveis. Uma iniciativa chamada “Comida, Energia e Água” é usada para que os estudantes aprendam a importância da conservação dos recursos naturais e compartilhem suas descobertas com a comunidade. Eles aprendem a plantar e a gerenciar jardins e hortas, escolhem as variedades de plantas que vão cultivar, como tomate, verduras e pimentão, e depois usam esses produtos em aulas de culinária. Os alimentos são usados na cozinha da escola e em restaurantes parceiros.

Cinco pilares

A escola incentiva o pensamento criativo e crítico, a flexibilidade e a adaptabilidade. “Estamos comprometidos com o desenvolvimento da inteligência emocional dos alunos. Ao ensinarmos autoeficácia – a crença na própria habilidade para obter sucesso – e com a prática de efetivas habilidades de comunicação a partir do Modelo de Processo de Comunicação, nossos alunos estão bem preparados para viver e trabalhar no futuro”, diz o diretor da Muse, Jeff King, no site da escola.

A escola tem cinco pilares: acadêmico, comunicação, aprendizado baseado em paixões, sustentabilidade e autoeficácia. Os alunos estudam temas derivados de suas preferências com metas diferentes para cada grau. Os professores personalizam o ensino de acordo com as necessidades e estilos de aprendizagem de cada estudante.

A escola usa uma ferramenta chamada Modelo de Processo de Comunicação, criada pelo psicólogo Taibi Kahler, que ajuda a entender o próprio comportamento e o dos outros, a criar uma comunicação efetiva, a analisar conflitos e dificuldades de comunicação e a encontrar soluções. O modelo é reconhecido nos Estados Unidos por ser usado pelo ex-presidente americano Bill Clinton e pela NASA.

freela 3Crédito: Muse School

Há também incentivo ao aprendizado de disciplinas de ciências, tecnologia, engenharia, artes e matemática, conhecidas pela sigla STEAM em inglês. Os alunos participam de estudos baseados em projetos de oito semanas em que exploram temas relacionados a essas áreas de acordo com seus interesses. Os estudantes podem participar ainda de aulas de artes visuais, ginástica, música e línguas e têm à disposição um “espaço maker” para fazerem experiências.

No programa de educação ao ar livre, as crianças participam de acampamentos na escola, escalada em montanhas da região e caminhadas em parques da Califórnia. A instituição também mantém um programa de troca de experiências com escolas da Tailândia e da Nova Zelândia. Os estudantes se comunicam pela internet e visitam as escolas no exterior. Há ainda o fórum MuseTalks, que leva líderes em sustentabilidade, inovação e educação para palestras.

Entre os prêmios recebidos pela Muse estão o “The Golden Carrot Award”, em 2014, pela preocupação com a alimentação natural dos estudantes, o “Animal Hero Kids”, no mesmo ano, pelo empenho em incentivar as crianças a cuidarem e ajudarem os animais, e o “Pavley Environmental Sustainability Award”, em 2012, concedido a organizações dedicadas à preservação do ambiente por meio da vida e do trabalho responsável. O restaurante da escola tem a certificação “Green Restaurant”, pelo uso de comida sustentável, uso eficiente da água e redução do uso de químicos e poluentes.


TAGS

ciências, competências para o século 21, educação mão na massa, escolas inovadoras, personalização, sustentabilidade

1
Deixe um comentário

avatar
500
1 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
1 Autores
Arthur Gandra Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Arthur Gandra
Visitante
Arthur Gandra

“A mais importante delas foi uma mudança no cardápio do restaurante, que passou a ser baseado inteiramente em vegetais. Entraram mais frutas e legumes. Saíram carnes, ovos e laticínios. Segundo a escola, é a primeira dos Estados Unidos que serve esse tipo de refeição.” que dificuldade em dizer que a escola segue uma dieta VE-GA-NA.Parece que as pessoas tem medo de dizer.