Inspirado na Escola da Ponte, projeto forma educadores para serem mediadores - PORVIR
Crédito: A_Bruno / Fotolia.com

Inovações em Educação

Inspirado na Escola da Ponte, projeto forma educadores para serem mediadores

Iniciativa da empresa EcoHabitare Projetos com abordagem pedagógica do português José Pacheco é ponto de partida para criação de núcleos da Rede Gaia Escola

por Fernanda Nogueira ilustração relógio 17 de setembro de 2018

Com 43 núcleos criados, 106 pessoas formadas e outras 150 em processo de “transformação”, começa a se estruturar no Brasil a Rede Gaia Escola. O projeto une, prepara e apoia educadores interessados em fazer a transição do modelo tradicional de transmissão de conhecimentos para a prática da mediação educativa, que incentiva a aprendizagem pelo desenvolvimento de projetos.

O trabalho da empresa EcoHabitare Projetos tem abordagem pedagógica do educador José Pacheco, idealizador e ex-diretor da Escola da Ponte, em Portugal, e conta com a experiência na área ambiental da arquiteta Cláudia Passos Sant’Anna. “O objetivo é agregar pessoas incomodadas com o sistema, que vêem a educação como caminho para a mudança e que estejam dispostas a se ressignificar como pessoas e como profissionais”, diz Cláudia.

Pacheco promoveu, a partir da segunda metade dos anos 1970, grandes mudanças na Escola da Ponte ao acabar com classes, séries e disciplinas e desenvolver a aprendizagem a partir da motivação dos estudantes. Eles passaram a formar grupos para aprender temas de interesse comum, de forma autônoma. Ao final, apresentam os resultados e avisam quando podem ser avaliados.

Leia mais:
Professor precisa abrir a cabeça, diz José Pacheco
– Estreia no canal Futura a 2ª temporada de Destino: Educação – Escolas Inovadoras

Segundo José Pacheco, a educação sustentável e de qualidade, um dos 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da ONU (Organização das Nações Unidas), não pode ser concretizada com a escola atual, que segue o paradigma da instrução. “A Gaia Escola parte das necessidades, desejos e sonhos dos educadores, para que eles, da mesma forma, isomorficamente, façam o mesmo com seus jovens educandos. O educador não deve preparar projetos. Ele deve construir projetos com os outros a partir das necessidades”, explica Pacheco.

O professor cita três dimensões curriculares: o currículo subjetivo, em que cada pessoa aprende com o objetivo de desenvolver competências, talentos e ter realização pessoal; problemas da comunidade, com pesquisa e conhecimento a serviço do local; e consciência planetária, referência maior da Gaia, segundo Pacheco, que é a construção de projetos que visam a sustentabilidade das pessoas, da comunidade e do planeta.

Os Núcleos de Projetos de Transformação da Rede Gaia Escola, como são chamados, podem estar ligados a escolas públicas, particulares ou a comunidades. Há iniciativas em estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Mato Grosso, Ceará, Amazonas, Bahia e no Distrito Federal. Entre os envolvidos há professores, educadores e pais.

Educadores participam de sessão de formação da Rede Gaia EscolaCrédito: Divulgação

Educadores participam de sessão de formação da Rede Gaia Escola

A formação da Rede Gaia Escola envolve quatro camadas, de acordo Claudia. A primeira é a de pessoas dispostas a passar de um mundo antigo para o novo mundo da educação, tendo como referência projetos como a Escola da Ponte, o Projeto Âncora e a Escola Amorim Lima, as duas últimas em São Paulo.

A segunda camada envolve a criação das chamadas Comunidades de Aprendizagem, em que os indivíduos se encontram e compartilham o mesmo propósito, de implantar uma nova forma de educação num determinado território. Eles passam por uma formação, conhecida na EcoHabitare Projetos como “transformação”, momento em que começam a se relacionar dentro do novo contexto. A equipe da empresa promove encontros presenciais e faz acompanhamento virtual.

Os encontros presenciais incluem a discussão de objetivos comuns, de valores e de acordos de convivência e a criação de uma carta de princípios. Há dinâmicas de relacionamento e de desenvolvimento da escuta empática. “Mexe com as estruturas de poder, com os egos, com a estrutura de pseudosegurança das pessoas. Elas começam a ter dispositivos para desenvolver o socioemocional”, diz Cláudia.

A terceira camada é a da criação de núcleos, quando os educadores voltam para seus locais de origem e se constituem em Núcleos de Projetos de Transformação. Lá, identificam ao menos duas ou três outras pessoas interessadas em passar pelo processo. Assim, ampliam a comunidade e começam a prática com o novo grupo.

A quarta e última camada é a formação de uma rede pelo conjunto de núcleos. A ideia é que os grupos se relacionem localmente e também com as outras comunidades. Dentro da rede, eles se apoiam de acordo com as necessidades que aparecem, como suporte jurídico, formas de lidar com secretarias de educação, entre outras. A EcoHabitare Projetos oferece suporte durante todo o processo, segundo Cláudia, mas incentiva o desenvolvimento autônomo dos participantes.

O processo de mudança é lento e contraditório, de acordo com Pacheco, com uma transformação da cultura pessoal e profissional. “Temos que respeitar o ritmo de cada um. Desenvolvemos práticas para passar da competência para a ética. Se o modo que trabalha não garante uma educação para todos, não pode continuar a trabalhar deste modo. Nestas comunidades acontece um processo de transformação, para que as competências de cada um possam garantir uma educação integral, que contemple a parte afetiva, emocional, ética, espiritual e etc”, diz Pacheco.

A Gaia Escola Inkiri Piracanga, na Península de Maraú, no litoral baiano, foi um dos primeiros núcleos criados. “Os educadores locais já faziam um trabalho de forma intuitiva, mas queriam aperfeiçoar o processo pedagógico”, afirma Cláudia. Agora, as crianças continuam aprendendo dentro da comunidade, mas são acompanhadas por uma escola formal, em que estão matriculadas. Com isso, têm direito a histórico escolar mesmo com uma trajetória educacional diferente da tradicional.

No momento, a empresa desenvolve um protótipo de indicadores de processos e resultados com os núcleos já formados. “Queremos validar o que estamos construindo, para depois ampliar”, diz Cláudia. O estudo vai aferir o que cada grupo atingiu em três ciclos: iniciação, transição e desenvolvimento. “Isso ajuda a perceber gargalos que dificultam o processo, mesmo que já saibamos quais são empiricamente.” Os indicadores também incluirão parâmetros, como sustentabilidade, articulação, metodologias, gestão e currículo. De acordo com a educadora, essas informações devem facilitar o diálogo com o poder público, “que precisa de dados quantitativos e qualitativos”.


3
Deixe um comentário

avatar
500
2 Comentários ao conteúdo
1 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
3 Autores
CarolinaDarilene de Souza XavierMiriam Pontello Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Darilene de Souza Xavier
Visitante
Darilene de Souza Xavier

Olá, gostei muito dessa reportagem e gostaria de saber como participar.Moro em Vitória ES, sou professora da rede pública,sou mãe de dois filhos de 4 e 6 anos,, e sonho com.uma educacao diferente, procuro fazer diferente minha sala de aula.. enfim existe, algum grupo em formação.Por favor poderia me informar.
Obrigada.

Carolina
Visitante
Carolina
Miriam Pontello
Visitante
Miriam Pontello

Eu apoio