Jogo de aventura ensina história antiga com desafios - PORVIR
Crédito: Reprodução

Inovações em Educação

Jogo de aventura ensina história antiga com desafios

Desenvolvido por pesquisadores da USP, o game traz cenários que permitem trabalhar elementos cotidianos, rituais religiosos e estrutura social da época

por Marina Lopes ilustração relógio 30 de janeiro de 2019

Septimius é um escravo na Roma Antiga que precisa cumprir tarefas para preparar um banquete no dia 24 de agosto de 79 d.C., data em que o vulcão Vesúvio entrou em erupção, destruindo as cidades de Pompeia e Herculano. Com essa narrativa, um jogo desenvolvido por pesquisadores do Laboratório de Arqueologia Romana Provincial (Larp), da USP (Universidade de São Paulo), convida alunos e professores da educação de ensino fundamental e médio a vivenciar o último dia em Herculano.

Desenvolvido por arqueólogos especializados em Roma Antiga, o jogo “O Último Banquete em Herculano” usa os preparativos para a grande refeição como pano de fundo para trabalhar elementos cotidianos, como alimentação, banhos, rituais religiosos e a estrutura social da época. “O banquete funciona como se fosse um microcosmo da sociedade romana. Você tem a questão de classes, do senhor da casa e dos escravos, enquanto o banquete envolve os alimentos e os vasilhames de bronze”, explica o historiador e arqueólogo Alex Martire, pesquisador do Larp.

Leia mais:

Jogo criado na UFRGS promove aventura pela história da química
Melhores aplicativos de 2018 para ensinar e aprender
Jogo coloca alunos para administrar cidade e discutir política
Jogo simula atuação do Executivo, Legislativo e Judiciário para ensinar política
300 aplicativos educacionais abertos para usar em sala de aula

A proposta do jogo surgiu a partir de uma necessidade identificada por pesquisadores do laboratório: poucos estudos e materiais didáticos tratavam de forma aprofundada da cidade de Herculano, que se originado de povos etruscos que habitavam a Península Itálica. Com meta inicial de produzir um livro, após reuniões com o grupo, surgiu a ideia de elaborar um jogo interativo.

Disponível para dispositivos móveis Android e iOS, o jogo é gratuito e pertence ao gênero de aventura, que envolve a apresentação de um problema para motivar o jogador. “Nós partimos para o campo do mobile porque é onde tem o maior apelo entre os professores. Nem toda escola tem um laboratório de informática. Nós sabemos as dificuldades que existem e construímos um jogo digital para atender a essas demandas”, diz o pesquisador.

Para apoiar o uso pedagógico da ferramenta, o jogo acompanha um guia didático, produzido pelos pesquisadores Alessandro Mortaio Gregori e Amanda Daltro de Viveiros Pina. Dividido em oito sessões, o material pretende auxiliar o trabalho em sala de aula. “Nós preparamos esse material para auxiliar o professor, sabendo que a realidade docente no país é difícil e muitas vezes ele não vai ter tempo para planejar e observar o game durante horas”, conta Alessandro Mortaio Gregori.

Além de trazer a contextualização do jogo e indicações de livros e sites para pesquisas, o guia também traz sugestões de atividades e planos de aula com durações variadas, que podem ser utilizados de acordo com a disponibilidade de cada educador.

“Nós estruturamos esse guia com um viés mais construtivista, pensando no papel ativo do aluno na aprendizagem”, destaca o pesquisador. Segundo ele, as atividades foram elaboradas para gerar uma discussão com os alunos e, a partir daí, permitir que eles coloquem a mão na massa. “As sugestões sempre trazem alguma atividade a ser desenvolvida que não é o jogo. O aluno sempre vai produzir alguma coisa, como uma história em quadrinhos, um trabalho com massa de modelar, uma composição, uma narrativa ou um vídeo”, detalha.

Além de trazer a contextualização do jogo e indicações de livros e sites para pesquisas, o guia também traz sugestões de atividades e planos de aula com durações variadas, que podem ser utilizados de acordo com a disponibilidade de cada educador.

O recurso digital “O Último Banquete em Herculano” é a primeira experiência do Larp com a elaboração de jogos. No entanto, o laboratório tem se dedicado nos últimos anos a produzir uma série de dispositivos que facilitam o estudo de história antiga. Confira algumas das ferramentas:

Roma Aumentada: Aplicativo em realidade aumentada que permite interação em tempo real com edifícios comuns da Roma Antiga.

Escaneamentos 3D: Ferramenta que traz informações e permite a visualização de peças arqueológicas.

Roma Touch: Aplicativo que permite navegar por um mapa 3D da Roma Antiga para obter informações de monumentos.

Domus: dispositivo que permite caminhar por uma casa do Império Romano! enquanto escuta informações sobre cada edifício.

Vipasca Antiga: aplicativo 3D que permite navegar em tempo real pela área de mineração romana.

Roma 360: ferramenta que faz uma viagem pelo mapa da cidade no período de 360 d.C.


TAGS

aplicativos, dispositivos móveis, ensino fundamental, ensino médio, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação