Kit ajuda países pobres a melhorar educação - PORVIR

Inovações em Educação

Kit ajuda países pobres a melhorar educação

Rede internacional de educadores, OLE, quer levar ensino de qualidade ao Nepal, Índia, Gana, Ruanda e Haiti, até 2015

por Patrícia Gomes ilustração relógio 19 de junho de 2012

De junho de 2012 até o início de 2015 são dois anos e meio ou 30 meses ou pouco mais de 900 dias. É nesse espaço de tempo que o grupo de educadores da rede internacional OLE (Opening Learning Exchange) pretende, com um kit de ferramentas educacionais, ajudar países como Nepal, Índia, Ruanda, Gana e Haiti a alcançarem o mínimo necessário para se ter uma educação de qualidade. Eles querem garantir que, pelo menos, os alunos tenham capacidade de ler e entender notícias, escrever um e-mail, manipular números e contribuir para o desenvolvimento local.

“As pessoas acham que a tecnologia é a solução para dar qualidade à educação, mas ela é só parte do processo. A solução tem que começar com as pessoas”

O conteúdo de cada kit depende das necessidades do país que recebe o suporte da equipe do OLE. Em princípio, eles são compostos de softwares que ajudam na criação, adaptação e avaliação do currículo segundo as necessidades locais, insumos para se montar uma biblioteca digital, informações sobre como captar recursos e como desenvolver estratégias de comunicação, treinamento de professores e um portal que reúne em rede e promove a troca de experiências entre todos os envolvidos com o OLE no mundo.

“Estamos trabalhando no desenvolvimento de um ‘kit de ferramentas’ que estará on-line e será composto por esses itens. Nós identificamos a necessidade de dar essa orientação e de partilhar exemplos para ajudar quem quer inovar a planejar e implementar mudanças importantes em seus sistemas educacionais”, afirma Araceli Camacho, do OLE.

De acordo com Richard Rowe, presidente da organização, o OLE nasceu depois que um grupo de professores percebeu que havia mais de 1 bilhão de crianças no mundo sem acesso à educação. Eles começaram, então, a montar uma rede e uma metodologia para prover educação básica de qualidade a países em situação vulnerável e estabeleceram uma meta: 2015, a mesma da ONU em seus Objetivos do Milênio. “As pessoas acham que a tecnologia é a solução para dar qualidade à educação, mas ela é só parte do processo. A solução tem que começar com as pessoas, por isso treinamos diretores de escolas, reconhecemos e capacitamos excelentes professores locais para que eles ajudem a mudar a realidade daquele lugar”, afirmou Rowe.

Para que tal treinamento possa ocorrer, o OLE firma parcerias com entidades reconhecidas pelos governos locais e que já realizam trabalhos naquele território. Serão elas as responsáveis por fazer a articulação entre a equipe do OLE e as escolas, para que se possam desenvolver respostas locais para problemas locais. Apesar das ações se basearem em um kit, as propostas desenvolvidas não são padronizadas. O currículo pode ser adaptado para atender a demandas de cada região e, algumas vezes, distribuem-se equipamentos eletrônicos para localidades mais distantes.

Bibliotecas virtuais

Em Gana, por exemplo, uma doação de 100 Nooks (leitores digitais) feita pela livraria Barne’s & Nobles permitiu que alunos do ensino básico da pequena cidade de Amasaman tivessem acesso facilitado à biblioteca virtual montada pela instituição.

crédito Divulgação

A organização de bibliotecas virtuais é estimulada pelo OLE por ser um investimento barato e que pode ficar disponível não apenas para as escolas envolvidas com o projeto, mas para toda a comunidade. O material que compõe a biblioteca é reunido a partir dos parâmetros curriculares educacionais exigidos pelo governo local e é disponibilizado para consulta on-line, para pessoas em qualquer lugar do mundo, e off-line, para quem está perto e não tem acesso à internet.

Tudo o que é produzido e disponibilizado pelo programa é grátis e aberto – pode ser usado livremente, integralmente ou em partes, adaptado e mesclado com outros materiais para a criação de novos conteúdos. Os países que participam do programa são incentivados a consultar o que seus pares têm feito. “Nós formamos uma comunidade global. Dividimos experiências, sucessos e fracassos. Isso nos faz andar muito rapidamente atrás de nossa meta”, afirma Rowe.

Em Ruanda, cita o presidente da instituição, o OLE também ajudou na implementação da biblioteca virtual. A base do material veio da África do Sul, mas como os recursos são abertos, foi possível adaptar o conteúdo para as necessidades do país que, ainda sob influência do genocídio de 1994, tem hoje metade da população com 18 anos ou menos. Além da biblioteca virtual, o OLE ajudou a desenvolver, para os alunos ruandenses, um jogo que ensina o inglês como segunda língua, o que acabou despertando o interesse pela leitura.

Veja o vídeo de apresentação do projeto, em inglês, com legendas em espanhol:


TAGS

livros digitais

2
Deixe um comentário

avatar
500
0 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
0 Autores
Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação