No interior da Paraíba, professor usa bulas de remédio para ensinar matemática - PORVIR
Crédito: Givanildo Melo

Diário de Inovações

No interior da Paraíba, professor usa bulas de remédio para ensinar matemática

Alunos do 6º ano de escola pública em Umbuzeiro aprendem operações matemáticas a partir das orientações das bulas de medicamentos

por Givanildo Melo dos Santos ilustração relógio 28 de setembro de 2022

Criar estratégias para aproximar o ensino da matemática às situações do cotidiano traz grandes benefícios para o aprendizado das crianças. A forma tradicional de abordar o conteúdo, por vezes, não atinge o resultado necessário. Pensando nisso, desenvolvi uma atividade bastante integradora e envolvente para ensinar multiplicação e divisão com os alunos do 6º ano da Escola Coronel Antonio Pessoa, localizada em Umbuzeiro (PB).

Pedi a eles que trouxessem para a sala de aula bulas de medicamentos que são utilizados por pessoas de suas casas ou familiares próximos. Em uma primeira conversa, falamos sobre os benefícios desses remédios e os riscos da automedicação ou utilização de maneira errada. Durante três momentos diferentes, com duração de três aulas, partimos, então, para as operações matemáticas. 

Na primeira etapa, propus um debate com as seguintes perguntas:

  • Para que servem os medicamentos?
  • Todo medicamento tem orientações sobre como utilizá-lo. Onde encontramos essas informações? (Nesse momento, chamei a atenção para a importância de seguir as recomendações médicas).
  • Vocês já fizeram uso de algum medicamento? Qual? Para quê?
  • De quantas em quantas horas vocês tomavam? (Aqui, alguns estudantes falaram que tomaram de 4 em 4 horas, outros de 6 em 6 horas ou de 8 em 8 horas).
  • Vocês têm conhecimento de alguma pessoa que já tomou algum remédio de 5 em 5 horas? E de 7 em 7 horas ou de 9 em 9 horas? (a maioria dos estudantes respondeu que não).

Após essa roda de conversa, que convergiu para os perigos de utilização errônea dos medicamentos, orientei os estudantes a fazer uma relação entre os horários que geralmente são tomadas as medicações com as horas do dia. Assim, eles foram compreendendo quais intervalos poderiam ser usados, distribuídos nas 24h do dia.

No segundo momento, solicitei que cada estudante pegasse sua bula e localizasse nela o modo de usar. No quadro branco, construí uma tabela com informações constantes nas bulas dos remédios, como: nome do medicamento, para que serve e modo de usar (de quantas em quantas horas).

Com a tabela construída, realizei a leitura com os estudantes e reflexões sobre as informações de cada medicamento. Em seguida, perguntei a eles sobre o intervalo necessário entre uma medicação e outra, como por exemplo: medicamentos administrados de 4 em 4 horas, de 6 em 6 horas, de 8 em 8 horas ou de 12 em 12 horas. Nesta ocasião, os conduzi a compreenderem que os intervalos das medicações colocadas na tabela (4, 6, 8, 12) são divisores de 24 e que esses horários serão repetidos a cada dia, enquanto durar o tratamento. Nesse momento, introduzi o conceito de múltiplos e divisores de um número natural das operações matemáticas.

No terceiro momento, dividi a turma em grupos (com quatro estudantes em cada grupo) e solicitei construíssem uma tabela com as seguintes informações do medicamento de cada bula da equipe:

Nome do medicamentoModo de usar (posologia)Duração do tratamento (fictício)

Pedi aos estudantes respostas para as seguintes questões:

1 – Iniciando todas as medicações à meia noite (0) hora, como ficariam os horários do paciente tomar cada medicação?

2 – Se o paciente toma um comprimido de 4 em 4 horas, quantos comprimidos tomará em um dia completo? E em 4 dias? Como fazer para encontrar a sequência de horários deste medicamento? 

3 – Um paciente toma dois tipos de medicação, um de 4 em 4 horas e outro de 6 em 6 horas. Se ele iniciar a medicação às 6h da manhã, haverá algum outro horário do dia que ele tomará os 2 comprimidos juntos? Se sim, qual/ais horário/s?

4 – Um paciente está realizando um tratamento que consiste em tomar 1 comprimido de 6 em 6 horas, durante 5 dias. Quantos comprimidos ele terá tomado ao final do tratamento?

5 – Escolha da tabela 3 medicamentos com horários diferentes de administração da dose e suponha que um paciente inicie a administração destes medicamentos às 8h da manhã. Qual o próximo horário em que os 3 medicamentos serão administrados juntos?

Abordamos, em seguida, os conceitos de múltiplos de um número, que são encontrados por meio de multiplicações desse número por outros. Para saber se um número é múltiplo do outro, basta realizar a divisão entre eles: um número é divisor do outro quando a divisão é exata, como por exemplo o número 6 é divisor de 12, 18, 24, 30, 36.

Percebi que os estudantes estabeleceram as relações necessárias e atingiram plenamente os objetivos programados nas aulas, conseguindo assim formar o conceito de múltiplos e divisores de um número natural a partir do trabalho com as bulas de medicamentos utilizadas.

O que é necessário para replicar este projeto de operações matemáticas?

Pedir aos alunos que tragam bulas de medicamentos. As operações matemáticas são feitas no quadro.


Givanildo Melo dos Santos

Mestre em ciências da educação, graduado em ciências - habilitação matemática, atualmente é graduando em pedagogia. É especialista no ensino da matemática, em gestão escolar, coordenação pedagógica, ensino a distância, ensino remoto e metodologias ativas.

TAGS

educação mão na massa, ensino fundamental, matemática

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
26 Comentários
Mais antigos
Mais recentes Mais votados
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
Conheça os professores homenageados na exposição do Porvir no Museu Catavento (SP)Saiba mais
26
0
É a sua vez de comentar!x
()
x