O que os sistemas educativos precisam para desenvolver a criatividade - PORVIR
Crédito: PixieMe/Fotolia.com

Inovações em Educação

O que os sistemas educativos precisam para desenvolver a criatividade

Estudo com a participação de líderes educacionais de diferentes países traça recomendações e desafios para a reforma curricular

por Redação ilustração relógio 17 de março de 2020

Quando gestores educacionais são perguntados se desenvolver a criatividade dos alunos é importante, praticamente todos dirão que sim. Existe uma grande vontade de tirar projetos do papel e avançar do projeto-piloto que chega a poucas escolas para um programa que ganha escala. Ter vontade, no entanto, não é o bastante.

A série de conteúdos “Creative Matters” (“Criatividade Importa”) lançada pela Fundação Lego discute como levar a criatividade para a sala de aula e apresenta no volume “Creating Systems” (“Criando sistemas”) entrevistas com gestores que lideraram reformas em diferentes países, como Austrália, Japão, Tailândia, Escócia e País de Gales. Eles fazem um conjunto de recomendações, avaliam estratégias e barreiras para a mudança no modelo tradicional de ensino. Abaixo, você confere alguns destaques.

Aprendizagem com brincadeiras apoia o desenvolvimento da criatividade
Aprender brincando é uma atividade criativa que muitas vezes já está implícita nos recursos e no trabalho desenvolvido por professores.

O trabalho de pressão política é essencial para manter o apoio pela reforma
Também conhecido pelo termo inglês “advocacy”, esse trabalho permite a abertura de espaço político para o trabalho com criatividade. A sociedade e as organizações precisam tomar a dianteira, de modo a garantir a sustentabilidade e a corresponsabilização de todos pelos compromissos acertados.

Parcerias estratégicas dentro e fora da esfera governamental sustentam as reformas
Os governos não podem fazer tudo sozinhos. A mudança, o sucesso e a sustentabilidade só podem ser alcançados com parcerias. O estudo fala em parcerias entre diversos áreas internas e externas, como artes, setores criativos e empresariais e sociedade civil. Uma vez reunidos, eles podem ajudar a projetar novas estratégias, criar referências sobre como incorporar habilidades no sistema e demonstrar a importância da criatividade na sociedade.

Adoção em larga escala depende da criação de consenso, linguagem e definições sobre o que é criatividade
Os líderes ouvidos no estudo entendem que existe um desafio decorrente da falta de compreensão do conceito de criatividade, o que dificulta que educadores acessem, discutam e planejem melhor o desenvolvimento de atividades com este fim nas escolas.

Para dar conta desta tarefa, governos precisam dedicar tempo e recursos para garantir a adesão professores, tomadores de decisão e equipes de secretarias.

Organizações internacionais podem apoiar a reforma
Entidades como a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) podem fornecer suporte técnico e apoio para o desenvolvimento da prestação de contas ao longo de todo o processo.

Professores e líderes locais são importantes
Docentes influenciam qualquer reforma educacional. É importante dedicar tempo e recursos suficientes para aumentar a experiência e a adesão dos professores reforma. Outra atitude inclui oferecer desenvolvimento profissional em todas as áreas para construir a compreensão dos conceitos-chave e garantir que os professores estejam preparados para desenvolver novas estratégias de aula e de avaliação. As escolas sempre estarão em diferentes estágios de implementação e vão demandar níveis e tipos de apoio específicos.

Um currículo deve ser articulado a orientar alunos e professores
Oferecer um currículo claro em que o desenvolvimento criativo de habilidades é explicitamente previsto é essencial apoiar os professores a planejar, ensinar, monitorar e avaliar as conquistas de aprendizagem dos alunos. Isso também vai dar aos estudantes a compreensão e o conhecimento sobre o que lhes está sendo ensinado. Além disso, escolas e professores devem ter autonomia para serem inovadores e criativos do mesmo modo que implementam o currículo e planejam as aulas.

Governos têm razões para focar em criatividade
Quando apresentam propostas de reforma, governos dizem que a criatividade é uma das principais habilidades necessárias para o trabalho e a vida no século 21. Formuladores de políticas públicas podem recorrer às  empresas e à sociedade civil para entender melhor suas necessidades e conseguir apoio de forma orgânica. A criatividade é igualmente importante para proporcionar às crianças bem-estar e as ajuda a entender que é possível aprender para além de tirar boas notas em provas.

Uma abordagem voltada à educação integral também é importante
A educação integral cria as condições que a escola precisa para envolver toda a comunidade com foco na aprendizagem e no desenvolvimento dos estudantes todas as suas dimensões: intelectual, emocional, cultural, física e social. Veja como isso é possível no Guia Educação Integral do Porvir.

A avaliação é crucial, mas pode ser um desafio
A avaliação é um passo importante para garantir que as habilidades de criatividade sejam reconhecidas, articuladas e valorizadas como importante ferramenta para promover a aprendizagem. A avaliação deve ser focada no aluno e incluir uma série de  ferramentas que os educadores receberam formação para usar. Elas podem ser formativas e qualitativas, bem como estar ligadas às trilhas que os estudantes vão seguir na universidade ou ao logo da formação técnica. Por fim, o documento ressalta que é importante reconhecer que o impacto de qualquer reforma para desenvolver as habilidades de criatividade vem no longo prazo. Avaliar muito cedo, com os tipos errados de critérios ou criar indicadores errados pode levar a resultados negativos.

O documento completo está disponível no site da LEGO Foundation.


TAGS

autonomia, avaliação, educação infantil, educação integral, ensino fundamental, ensino médio, formação continuada

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação