Parceria entre IBM e Centro Paula Souza combina currículo técnico com experiências práticas - PORVIR
Crédito: vege / Fotolia.com

Inovações em Educação

Parceria entre IBM e Centro Paula Souza combina currículo técnico com experiências práticas

Com foco em novas tecnologias, modelo educacional P-TECH estimula o desenvolvimento de competências em ciência, tecnologia, engenharia e matemática

por Marina Lopes ilustração relógio 5 de dezembro de 2018

O avanço da tecnologia digital demanda, cada vez mais, que profissionais sejam formados em um ambiente de integração entre teoria e prática. Alinhados com essa tendência, nesta quarta-feira (5) a IBM e o Centro Paulo Souza anunciaram o lançamento do modelo educacional P-TECH, um programa que combina treinamento em sala de aula, mentoria do setor privado e experiências no local de trabalho para estimular o desenvolvimento de competências em ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Com a proposta de aproximar o curso técnico de experiências práticas em empresas parcerias, além de conectar o currículo com desafios e competências requeridas dos alunos no mercado de trabalho, o programa cria uma jornada integrada que possibilita a obtenção dos diplomas do ensino médio, técnico e superior (tecnólogo) em cinco anos. “A ideia é que a passagem de nível seja praticamente imperceptível. O aluno não vai sentir que está terminando um curso e começando outro, existe uma continuidade ao longo dos anos”, explica Hugo Ribeiro de Oliveira, coordenador de Projetos do Eixo Tecnológico de Informação e Comunicação do Centro Paula Souza.

– InnoveEdu: conheça a P-Tec High School 

Ao longo do curso, enquanto desenvolvem competências profissionais e habilidades técnicas que envolvem novas tecnologias, como cyber segurança, inteligência artificial, os alunos terão a possibilidade de participar de atividades anuais no local de trabalho. “A oportunidade de ter uma carga horária de atividades dentro da empresa, participar de mentorias e entender como funciona o trabalho na área de tecnologia proporciona uma expectativa e uma vontade de querer mais. O aluno consegue ver a aplicação do conhecimento que está aprendendo em sala de aula”, destaca Hugo.

O programa já começa a ser implementado em fevereiro de 2019 para alunos que ingressarem no curso de “Análise e Desenvolvimento de Sistemas”, oferecido na Etec Zona Leste e Fatec Zona Leste, na capital, e na Etec Polivalente de Americana e Fatec Americana, em Americana, no interior do estado. A admissão acontece por meio da participação no processo seletivo regular que integra os currículos dos ensinos médio e técnico oferecidos pela Centro Paula Souza.

Experiência internacional
Ao lado da Colômbia, o Brasil é um dos primeiros países da América Latina a implementar o modelo educacional P-TECH. O programa, que teve início em 2011, no Brooklyn, Nova York, já está presente em 110 escolas e faculdades comunitárias dos Estados Unidos e de outros países, como Marrocos, Austrália, Taiwan, Singapura, Coréia do Sul e Irlanda.

O modelo que conecta a sala de aula com os desafios reais de uma empresa de tecnologia já apresenta alguns resultados expressivos, principalmente quando considerada a taxa de retenção durante a jornada integrada. Na primeira turma que concluiu o programa nos Estados Unidos, 100% dos alunos que entraram no curso em 2011 se formaram no ensino médio e 80% deles seguiram para o ensino superior.

“Eu vejo como um grande valor dessa parceria a possibilidade de trazer conteúdos de novas tecnologias, conversando com aquilo que está sendo aplicado dentro de sala de aula”, aponta Juliana Nobre, gerente de Cidadania Corporativa da IBM Brasil. De acordo com ela, o contato com o setor produtivo possibilita que o aluno conheça desafios reais que um profissional da área de tecnologia enfrenta.

Na construção do currículo do curso, que envolveu profissionais da IBM e do Centro Paula Souza, foram levadas em conta habilidades importantes para um profissional que pretende atuar no setor de tecnologia. “Nós contribuímos com insights de competências que são importantes para o mercado e também trouxemos novos elementos que modernizam o currículo, como inteligência artificial”, diz Juliana.

Durante a fase de implementação no Brasil, o programa P-TECH pretende formar 80 alunos por ano, além de inspirar a expansão do modelo para outras escolas.


TAGS

carreira, educação mão na massa, ensino médio, ensino superior, ensino técnico, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação