Professora de inglês enfrenta quarentena com app, canal de YouTube e página no Facebook - PORVIR
Crédito: SPmemory/iStockPhoto

Diário de Inovações

Professora de inglês enfrenta quarentena com app, canal de YouTube e página no Facebook

Atuando na rede pública, Sara Sousa adota diferentes recursos tecnológicos para apoiar alunos e colegas durante o período de quarentena contra o coronavírus

por Sara Sousa ilustração relógio 2 de abril de 2020

Sou professora de inglês das turmas do ensino fundamental 2 da rede municipal de Ferraz de Vasconcelos e da rede estadual de São Paulo. Eu gosto bastante de sair um pouquinho do padrão lousa e giz, ainda mais na minha disciplina.

Hoje em dia, existe um tipo de briga nas escolas, com a inovação do lado e, de outro, algumas linhas que são contra o uso do celular. Sempre tentei usar o celular como parte da minha aula porque os estudantes estão com ele na mão o tempo todo. No começo do ano, peço para que eles mudem as configurações do celular para inglês para já estimulá-los a usar o idioma. Nós também fazemos algumas atividades de realidade virtual, além de sempre solicitar que façam o download de um dicionário offline.

Foi por meio da mídia que fiquei sabendo que haveria uma olimpíada de inglês. Propus aos alunos que participássemos e foi muito bacana porque eles se envolveram desde o princípio. Fizemos como se fosse uma olimpíada de esportes, com cerimônia de abertura, hinos e ranking, que eu atualizava semanalmente. Tudo em uma ferramenta online. Nessa época, foi o jogo que realmente atraiu a atenção deles para aula de língua inglesa.

Leia mais:
Professora conta como teve que se reinventar para aulas a distância no fund.1
Por que professores decidem usar tecnologia
O que é ser um bom professor?
Guia Tecnologia na Educação do Porvir

Essa experiência ajudou a já ter certa proximidade com esse tipo de plataforma. Antes, eu não usava tão intensamente. Mas agora, a ferramenta é o nosso dia a dia. A principal que eu uso é o ChatClass. O aplicativo é uma plataforma de aprendizagem que roda inteligência artificial por meio do WhatsApp, algo que já é do universo dos alunos.

Eles interagem diretamente com o robô. O meu papel é apenas ir direcionando as atividades de acordo com o assunto que estamos estudando. Por exemplo, se estamos trabalhando “Simple Present”, eles devem entrar nas atividades sobre esse assunto e praticar gramática, escuta e conversação. O mais interessante é que ele tem a correção automática e permite que professores criem suas próprias atividades. Eu fiz isso quando precisamos migrar da aula presencial para online. Criei um banco de perguntas para fazer a ponte e relembrar o último assunto que tínhamos tratado.

Além disso, no caso de Ferraz de Vasconcelos, tivemos que usar as redes sociais da escola para passar o conteúdo para os alunos quando as aulas foram suspensas. Resolvi criar um canal no YouTube para direcionar as atividades e facilitar o acesso, já que é muito difícil marcar um horário e reunir todo mundo online. Estou gravando um vídeo por semana e disponibilizo para que eles acessem a qualquer hora. O último que gravei usei personagens do Roblox, um jogo que eles gostam muito, para ensinar sobre “The Genitive Case”.

Essa foi uma forma que encontrei para aumentar nossa proximidade em um momento que estamos tão distantes. Se eles percebem que eu estou presente e pronta para orientar, existe uma chance maior de lembrarem de suas responsabilidades com os estudos. Como alguns alunos são mais auditivos ou visuais, os vídeos também são úteis para tentar dar conta dessas demandas.

A situação da pandemia do COVID-19 é muito triste e complicada, mas está nos mostrando outros caminhos para agir. Sempre achei importante ir além durante minhas aulas e isso garantiu que meus alunos não estivessem totalmente por fora. O modelo tradicional de aula é muito bem-vindo em vários momentos, mas também devemos olhar para as especificidades de cada estudante e usar a tecnologia e inovação a favor disso.

Reprodução de post da página Creative Teacher em que Sara agradece sugestões de palavras positivas como love e peace enviadas por leitoresCrédito: Reprodução

Página Creative Teacher no Facebook

Em 2015, criei a página Creative Teacher no Facebook para compartilhar as atividades que realizo em sala de aula. De uns tempos para cá, resolvi postar a maioria do que eu faço pensando que, se procuro tanto a ajuda dos meus colegas para elaborar minhas práticas, porque não ajudá-los também? É na página que posto dicas de atividades e vídeos sobre como usar o ChatClass, por exemplo. No período de pandemia, essa troca está sendo essencial, não só via Facebook, mas também no grupo de WhatsApp que criei. A possibilidade de crescimento entre os professores, com os que sabem mais ajudando aqueles que sabem menos, é muito bacana. Acredito que esse momento seria muito pior se não houvesse cooperação e ajuda entre os docentes.


Sara Sousa

Formada em letras com habilitação Inglês/Português e pós-graduada em gestão da aprendizagem. É criadora da página Creative Teacher e vencedora do prêmio Educador destaque de Ferraz de Vasconcelos em 2019.

TAGS

aplicativos, autonomia, coronavírus, ensino fundamental, tecnologia, videoaulas

2
Deixe um comentário

avatar
500
2 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
2 Autores
MarciaAntonio Ailton Gomes da Silva Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Antonio Ailton Gomes da Silva
Visitante
Antonio Ailton Gomes da Silva

Excelentes dicas! Parabéns, professora!

Marcia
Visitante
Marcia

Parabéns, professora. Que trabalho excelente! Obrigada pelas sugestões!