Projeto brasileiro conquista prêmio internacional de educação da Unesco - PORVIR
Crédito: Reprodução

Inovações em Educação

Projeto brasileiro conquista prêmio internacional de educação da Unesco

Escolas Conectadas, da Fundação Telefônica Vivo, promove a inclusão de educadores na cultura digital e incentiva o desenvolvimento de habilidades do século 21 nos alunos

por Redação ilustração relógio 8 de outubro de 2020

A Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) reconheceu nesta semana o projeto Escolas Conectadas, realizado no Brasil pela Fundação Telefônica Vivo, com o Prêmio UNESCO-Hamdan bin Rashid Al-Maktoum. O anúncio foi feito na última segunda-feira (5), em cerimônia que também destacou Apps for Good, de Portugal, e School Transformation Journey, do Egito. Os três vencedores vão dividir US$ 300 mil (R$ 1,7 milhão), montante que deverá ser reinvestido nos respectivos projetos.

💡 Aprendendo Sempre: Ferramentas e orientações para suas aulas remotas

Criado em 2008 e concedido a cada dois anos, o prêmio celebra programas que tenham comprovado sucesso na melhoria do trabalho de professores em países em desenvolvimento ou em comunidades desfavorecidas no contexto global. A iniciativa tem o apoio do xeque Hamdan Bin Rashid Al-Maktoum, dos Emirados Árabes Unidos.

O prêmio é atribuído por um júri internacional composto por cinco profissionais escolhidos pelo seu nível de conhecimentos e experiência em questões relacionadas com os professores.

Escolas Conectadas
O Escolas Conectadas é uma iniciativa do ProFuturo, um programa da Fundação Telefônica Vivo e da Fundação “la Caixa” que, dentre outras estratégias, estimula o ensino a distância para educadores. Desde 2015, o projeto promove a inclusão de educadores na cultura digital e incentiva o desenvolvimento de habilidades do século 21 nos alunos, por meio da prática de metodologias ativas de ensino.

A plataforma oferece cerca de 40 cursos gratuitos focados na troca de experiência entre educadores e na construção coletiva de conhecimento, com cursos mediados e autoformativos, de diferentes cargas horárias e certificados por instituições de ensino superior reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC). Para este ano, as inscrições abertas até 12 de outubro, e educadores podem se inscrever gratuitamente e selecionar os cursos de acordo com a área de interesse e carga horária, que varia de 10 a 50 horas.

Quatro professores olham tela de computador em uma sala de aulaCrédito: Divulgação

Apps for good
O Apps for Good, projeto do Centro de Inclusão Digital de Portugal realizado desde 2015, oferece a alunos e professores a oportunidade de desenvolver aplicações para smartphones ou tablets, mostrando-lhes o potencial da tecnologia para transformar as suas comunidades.

O programa educativo, que tem o apoio do ministério da Educação local, já chegou a 1.133 professores e fomenta nova geração de “empreendedores sociais e tecnológicos”, reduzindo desta forma a disparidade digital dos professores e dos alunos.

Crédito: Divulgação

School Transformation Journey
O School Transformation Journey, da Fundação Educate Me, é um programa de três anos, lançado em 2015, que busca desenvolver o diálogo e o entendimento entre as escolas e suas administrações locais. Ao disseminar uma cultura de autonomia entre os educadores, cria um ambiente que fomenta a troca de conhecimentos e experiências. O programa desenvolve as capacidades dos educadores em cada escola até que se tornem especialistas em tecnologia para aprendizagem. Até o momento, o programa atingiu 6.000 educadores, 430 escolas públicas em todo o Egito.

A sexta edição do prêmio recebeu 197 inscrições de todo o mundo, sendo 41 participantes da América Latina e Caribe, 20 da Europa e América do Norte, 58 da Ásia e Pacífico e 41 de países árabes e 37 da África.


TAGS

competências para o século 21, conectividade, formação continuada, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação