Universidade precisa responder ao 'vai lá e faz' - PORVIR
Fotolia

Inovações em Educação

Universidade precisa responder ao ‘vai lá e faz’

Pesquisa Anima/BOX1824 com jovens de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo aponta soluções para mudar a cara do ensino superior

por Vinícius de Oliveira ilustração relógio 23 de março de 2015

Enquanto o jovem amplia suas conexões a cada dia e pensa em criar uma startup que pode mudar a vida de milhares de pessoas, a universidade ainda aposta em um produto velho, que acredita ser o único dono do conteúdo. Lá se vão mais de duas décadas desde a massificação da internet e a abundância de informação para provar o contrário, mas o modelo permanece o mesmo.

Para entender melhor quem é o estudante que chega hoje ao ensino superior e quais são suas aspirações, o grupo Anima Educação e a BOX1824, agência especializada em comportamento jovem, ouviram 200 jovens de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo em uma pesquisa realizada durante os anos de 2013 e 2014. Foram estudados jovens de 16 a 24 anos, das classes A, B e C que demonstram ter projeto de vida, capacidade para inspirar seus pares, sonhar grande e, claro, vivem imersos na cultura digital.

Como ponto de destaque, o trabalho aponta para um comportamento “vai lá e faz” do jovem que ainda não encontra espaço para se manifestar nos pelo menos quatro anos em que ele passa sentado na sala de aula — muitas vezes somente à espera do diploma. “Hoje a universidade tem a arrogância de dizer o que você precisa, não importando onde você esteja ou o que queira fazer”, explica Daniel Castanho, presidente do grupo Anima Educação. Para ele, o ambiente de ensino ideal é similar ao das redes sociais, como o Facebook. “A universidade precisa ser o lugar da discussão, da experiência, da prototipagem, onde se pode arriscar e ousar”, exemplifica.

A universidade precisa ser o lugar da discussão, da experiência, da prototipagem, onde se pode arriscar e ousar

Em um trabalho mais detalhado, a pesquisa ouviu ainda 10 jovens com vivência fora do país para trazer uma experiência multicultural. Entre eles, segundo conta Castanho, está um jovem que abriu mão do certificado formal para ter aulas particulares com professores específicos de instituições como USP (Universidade de São Paulo), FGV (Fundação Getúlio Vargas), ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) e ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing). “Esse tipo de provocação leva a repensar a estratégia”, segundo analisa o executivo do grupo que controla o Centro Universitário UNA e Centro Universitário de Belo Horizonte, ambos em Belo Horizonte (MG), a Universidade São Judas Tadeu e a HSM – Escola de Negócios, em São Paulo (SP), e a Unimonte, em Santos (SP).

Como soluções, a pesquisa aponta para ações em cinco territórios: engajamento do aluno, engajamento do professor, reapropriação do espaço físico, conexão entre universidade, mercado e sociedade e, por fim, uma nova lógica curricular. Segundo explica Rafael Ávila, diretor de inovação da instituição, tudo começa por uma nova relação entre os principais atores. “Educação é uma relação entre seres humanos e não adianta falar em inovação tecnológica sem aproximação entre professor e aluno”, explica. O programa de formação interno começa a ser reformulado e 3 mil professores já passam por oficinas de metodologias como design thinking que vão capacitá-los a desenvolver competências socioemocionais e a lidar com projetos do “aluno vai lá e faz”.

Educação é uma relação entre seres humanos e não adianta falar em inovação tecnológica sem aproximação entre professor e aluno

Adotar um currículo flexível, segundo Ávila, depende mais uma vez que o aluno seja ouvido. “Um estudante de engenharia que queira comandar a empresa do pai com clientes na Argentina precisa de uma formação de gestão e de espanhol e não pode ter um curso similar a um outro que pensa em trabalhar em uma construtora”, diz. Em um universo de mais de 90 mil alunos, isso depende do apoio de plataformas digitais e adaptativas.

Para repensar os espaços, a solução da Anima é inspirada em instituições como SEED, o espaço para startups na capital mineira, e as instituições Perestroika e Escola São Paulo, que oferecem cursos livres. Chamado de Anima Nest (ninho, em inglês), o projeto busca criar espaço de coworking e incubar novas empresas dentro da universidade. “A gente quer reconectar mercado, aluno, universidade e sociedade na linguagem do jovem, mas precisamos fazer isso na linguagem deles, sob nossas asas”.


TAGS

ensino superior, formação continuada, projeto de vida, tecnologia

10
Deixe um comentário

avatar
500
6 Comentários ao conteúdo
4 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
8 Autores
jaasiel felipeJuliana WolfarthPor Vinícius de OliveiraMARGARETH POLI PEREIRAPor Vinícius de Oliveira Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Juliana Wolfarth
Visitante
Juliana Wolfarth

Gostaria muito de acessar esse estudo, alguém sabe se existe essa possibilidade?

jaasiel felipe
Visitante
jaasiel felipe

Vocês poderiam, por gentileza, referenciar essa pesquisa da Box com a Anima Educação? No garimpo não encontrei nenhum link direto.

Juliana Wolfarth
Visitante
Juliana Wolfarth

Gostaria muito de acessar esse estudo, alguém sabe se existe essa possibilidade?

jaasiel felipe
Visitante
jaasiel felipe

Vocês poderiam, por gentileza, referenciar essa pesquisa da Box com a Anima Educação? No garimpo não encontrei nenhum link direto.

MARGARETH POLI PEREIRA
Visitante
MARGARETH POLI PEREIRA

É possível ter acesso a esse estudo?

MARGARETH POLI PEREIRA
Visitante
MARGARETH POLI PEREIRA

É possível ter acesso a esse estudo?

Por Vinícius de Oliveira
Visitante
Por Vinícius de Oliveira

Oi, Margareth. Solicitamos o estudo completo à Anima e avisaremos assim que tivermos o link