1 COMENTÁRIO // 

Plataformas facilitam estudo e troca de conteúdos

Para universitários, uma rede social acadêmica colaborativa; para o aluno do ensino médio, um jogo lúdico focado no Enem

Cumprir uma rotina de estudante nem sempre é fácil. Exige disciplina e dedicação, tanto para o vestibulando quanto para o aluno universitário. Mesmo pertencendo a diferentes níveis de ensino, regularmente, ambos têm diante de si uma série de novos conteúdos, exercícios, provas e outras atividades pedagógicas, nem sempre empolgantes. Para facilitar essa rotina, por vezes desgastante, duas plataformas nacionais resolveram criar soluções que auxiliam diretamente o estudante de nível médio e o de nível superior a facilitar suas rotinas de estudo. Com o Meu Tutor, os alunos de educação básica têm acesso a um jogo interativo e colaborativo baseado em questões do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Já na rede social acadêmica Passei Direto, os universitários conseguem compartilhar qualquer tipo de material de aula com colegas de qualquer  faculdade do Brasil.

Criada no ano passado – mas ofertada de maneira restrita a algumas instituições -, a plataforma Passei Direto passou, a partir do dia 9 deste mês, a liberar o acesso para estudantes universitários de todo o país. Idealizada por dois alunos da PUC-Rio, o portal gratuito já conta com mais de 350 mil estudantes cadastrados. A plataforma permite que os usuários compartilhem materiais acadêmicos, exercícios e provas. Ainda é possível tirar dúvidas por meio do portal e manter contato com estudantes calouros e veteranos da mesma universidade ou de outras instituições cadastradas.

crédito Stauke/Fotolia.com
 

Baseada no conceito de aprendizado coletivoGlossário compartilhado de termos de inovação em educação, a plataforma propõe ser uma nova forma de estudar de forma colaborativa. No Passei Direto, depois de um rápido cadastro, o usuário tem acesso a mais de 100 mil materiais disponíveis por alunos do mesmo curso, de outras instituições ou até de estudantes que já concluíram a universidade e resolveram disponibilizar parte do seu acervo no portal. Toda a plataforma é gerenciada pelos próprios estudantes. “Desde a criação, mais de um terço dos alunos da PUC-Rio já estão cadastrados. Diariamente, desde que abrimos para outras universidades, recebemos cerca de 15 mil novos participantes por dia. Além de estudantes de faculdade cariocas, os alunos das federais de Minas e a da Bahia são os que mais estão presentes”, afirma um dos fundadores, Rodrigo Salvador, de 24 anos, estudante de administração da PUC.

Visando tornar o ambiente mais descontraído, a plataforma resolveu incorporar estratégias simples de gameficação. Assim, quem mais posta materiais ou ganha recomendações de outros estudantes cadastrados recebe pontos. Ao ganhar mais pontuação, o participante sobe de nível. Ele pode sair da condição inicial de “calouro” e chegar até a de “oráculo”, ou seja, um usuário que disponibiliza materiais que servem de reverência para centenas de estudantes. “Esse é um dos nossos maiores diferenciais. A gameficação foi um passo para tornar o site mais divertido. Nosso objetivo é que o ato de estudar seja uma atividade simples, divertida e compartilhada”, afirma Salvador.

Conheça mais sobre o Passei Direito, confira o vídeo:

Imagem de Amostra do You Tube

 

Ensino médio

Enquanto os idealizadores cariocas do Passei Direto se preparavam para abrir o portal para estudantes de todo o Brasil, pesquisadores  de Maceió lançavam outra plataforma de auxílio aos estudos voltada, especificamente, a alunos do ensino médio. Criada em dentro da UFAL (Universidade Federal de Alagoas) em parceria com a USP São Carlos, o Meu Tutor tem como foco a preparação do vestibulando para as provas do Enem.

Contado com mais de 1,2 mil usuários, a plataforma funciona como uma espécie de jogo interativo onde os usuários, conjuntamente, podem resolver questões do ensino médio. Utilizando a lógica de desafios e conquistas, no site, o estudante aprende de forma lúdica. “A nossa grande missão é trabalhar as dificuldades de aprendizagem que os alunos da educação básica têm atualmente. Queremos melhorar a qualidade da educação brasileira”, fala um dos idealizadores, Ig Ibert Bittencourt, professor do programa de pós-graduação em informática da Ufal.

Depois de um cadastro que dura menos de 1 minuto, o usuário tem acesso a uma espécie de roteiro de estudos. A partir de missões sugeridas no painel de controle, o estudante vai acessando os assuntos das respectivas matérias. Para cada missão cumprida – geralmente são perguntas sobre os assuntos da respectiva disciplina – , o usuário vai acumulando pontos e troféus. Para auxiliar o estudante no trajeto, o Meu Tutor oferece videoaulas explicativas e dicas para resolução dos problemas. As questões foram formuladas por uma equipe pedagógica, sempre levando em conta as competências pedagógicas do exame.

O candidato pode optar por “aceitar a missão” que mais lhe interessa. Cada uma delas apresenta um desafio diferente: desde de indicação de vídeos a serem assistidos à acompanhar o trajeto de amigos que também estão cadastrados na plataforma. Assim, é possível equiparar o seu desempenho com outro colega. “O ranking é na rede de amigos, selecionados pelo próprio usuário. Além disso, com esse experiência de compartilhamento social, alunos de um mesmo grupo, por exemplo, podem resolver os desafios juntos, de forma on-line”, fala Bittencourt.

No entanto, a plataforma só libera gratuitamente os conteúdos de matemática. Os conteúdos de português e física estão fechados e para ter acesso é preciso fazer uma assinatura de R$ 9,90 por mês. Os exercícios e conteúdos das demais matérias ainda estão sendo produzidos pela equipe. “Nos próximos dias, disponibilizaremos os conteúdos de química, biologia e literatura. Até o final do ano, todas as demais estarão no ar”, diz o professor da UFAL.

Veja, no vídeo, como funciona o Meu Tutor:

Comentar Comentar via Facebook

  • Deixe um Comentário

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    *

    1 Comentário