5 COMENTÁRIOS // 

10 boas experiências no uso de tablets e laptops

Blog de edtech do Banco Mundial traz casos de governos no mundo que estão adotando políticas de um computador por aluno

O blog do Banco Mundial voltado para educação e tecnologia, a chamada edtech, trouxe nesta semana um apanhado de iniciativas de governos das mais diversas partes do mundo no sentido de prover a seus alunos um computador ou um tablet por aluno. De acordo com o autor do texto, Michael Trucano, especialista em TICs e educação, muitas notícias recentes têm aquecido o debate, como o anúncio, em maio, da compra de 425 mil laptops para crianças quenianas ou da pretensão californiana de entregar um tablet a  640 mil alunos até o fim do ano que vem.

Esses são apenas dois entre muitos programas governamentais que mostram o quanto a computação móvel via tablets e laptops está se espalhando em velocidade e escala em escolas de todo o mundo. Mas será que esses projetos são todos boas ideias? A resposta de Trucano é: depende. “O diabo está nos detalhes e na análise custo-benefício. Sendo ou não boas ideias, o inegável é que eles estão acontecendo, para o bem ou para mal, cada vez mais frequentemente e em maiores quantidades”, afirmou ele.

O Brasil teve, entre 2008 e 2011, um programa que levava laptops às escolas de prefeituras que aderiam aos termos. Era o Um Computador Por Aluno, que chegou a beneficiar escolas em centenas de municípios. Mais recentemente, o MEC comprou 600 mil tablets para professores do ensino médio, que devem ser totalmente entregues até o próximo mês. O ministério espera, ao dar tablets a professores, começar a inserir uma cultura de dispositivos móveis nas escolas públicas brasileiras.

Apesar de todos esses movimentos, Trucano ressalta que ainda há perguntas a serem respondidas sobre o uso massivo de tablets e computadores na escola: o que sabemos sobre o que funciona ou não no planejamento e implementação desses projetos de um computador por aluno? Quais devem ser os custos e os benefícios? Onde deveremos olhar quando tentamos encontrar soluções para essas questões? Trucano levantou dez iniciativas pelo mundo que merecem destaque. Veja, a seguir, quais são elas.

crédito antishock / Fotolia.com10 bons casos de um computador por aluno

 

1. EUA
Os Estados Unidos são um país grande, diverso e com um sistema educacional muito descentralizado. A decisão de adotar determinadas tecnologias não vem do nível nacional, mas são feitas em nível estadual ou, até mais frequentemente, em nível distrital – vale lembrar que o país tem mais de 14 mil distritos escolares no total. Com isso, diz o autor, é difícil tomar os EUA como um todo como benchmark, mas algumas iniciativas merecem destaque. Uma delas é a do estado de Maine, que diz ser o primeiro estado norte-americano a:

– desenvolver um plano para prover equipamento a todos os professores e alunos do sétimo ano ao fim do ensino médio;
– usar as tecnologias móveis para transformar a prática em sala de aula em todo o estado;
– prover acesso à internet em casa para todos os alunos de 7a e 8a série.

Apesar de o programa de Maine estar em reformulação, ele tem sido referência para governos interessados em adotar esse tipo de política. Em junho, o Los Angeles Unified School District anunciou que vai investir US$ 30 milhões na compra de iPads para 640 mil alunos até o fim do ano que vem.

Esses programas e a compra espontânea de tecnologia por parte dos alunos e de suas famílias têm possibilitado que escolas se apoiem na metodologia Byot (“bring your own technology” ou traga sua própria tecnologia) ou Byod (“bring your own device” ou traga seu próprio equipamento) como uma forma de melhorar o acesso a tablets e laptops dentro das escolas.

2. Uruguai
O Uruguai foi o primeiro país do mundo a prover computadores portáteis a todas as escolas públicas de ensino fundamental pelo Plan Ceibal. Agora o programa está vivendo o problema posterior: enquanto ele continua a ter o apoio dos cidadãos, a imagem de crianças pequenas usando seus laptops já não é mais novidade, mas ainda é preciso que os estudantes se mantenham engajados.

3. Tailândia
Enquanto a maior parte dos esforços de introduzir um computador por aluno na educação, de fato, acabou leuvando à entrega de laptops, a Tailândia escolheu usar tablets. A iniciativa foi tida como a maior de sua natureza quando foi lançada (apesar de o título vir sendo reivindicado por outros países), os esforços tailandeses estão apenas no começo.

4. Peru
Cerca de um milhão de laptops foram distribuídos para estudantes no Peru, em um processo que começou em 2008, com enfoque inicial em escolas pequenas em comunidades pobres. Examinando a experiência peruana, o BID se dedicou a analisar o impacto do programa. Pelos resultados, ainda não é possível dizer se os alunos peruanos melhoraram seu desempenho em matemática ou linguagem depois da adoção dos laptops, mas já há indícios de melhores em algumas habilidades cognitivas, além de o programa ter aumentado radicalmente o acesso a computadores.

5. Quênia (e Ruanda)
Apesar de ainda não ter nem começado, o plano queniano de inserir laptops no sistema educacional em janeiro de 2014 chamou a atenção da mídia internacional. Começando com 400 mil laptops a serem entregues aos alunos de primeiro ano, o projeto deve se tornar o maior esforço do tipo para o continente. Antes de receber esse programa, o Quênia tinha sido palco de projetos pilotos menores e diversificados envolvendo TICs.

Muito do programa queniano está baseado na experiência da vizinha Ruanda, que já distribuiu mais de 200 mil laptops a estudantes.

6. Turquia
Um dos projetos que tem ofuscado a grandiosidade do programa tailandês é o que vem ocorrendo na Turquia. O projeto turco Fatih, que em português seria algo como Movimento para Melhorar as Oportunidades e a Tecnologia, vai introduzir mais de dez milhões de tablets e milhares de lousas interativas, impressoas e outros periféricos em escolas turcas. Ao contrário do que aconteceu na Tailândia, a produção local de tecnologia deve desempenhar um papel importante no projeto da Turquia.

7. Índia
Antes de Turquia e Tailândia, foi o projeto indiano Aakash que chamou a atenção da mídia internacional ao levar computadores para as mãos dos alunos. O projeto já mudou um pouco desde o seu início, mas ele é apenas um dos vários esforços de introduzir tablets ou laptops para um país de dimensões contineirais. Novos programas no Rajastão e em Uttar Pradesh foram recentemente anunciados.

8. Argentina
Construído a partir de uma experiência piloto na província de San Luis, alguns projetos argentinos, como Conectar Igualdad e Plan S@armiento BA (em Buenos Aires) são maiores que as iniciativas de um computador por aluno de Peru e Uruguai juntos.

9. Portugal
O programa português que dá laptops a alunos pode inspirar governos que se interessem em firmar parcerias público-privadas.

10. ?
Como praxe no blog do Banco Mundial, a lista de dez casos elaborada por Trucano deixou a décima posição aberta para para passar a mensagem de que a lista é incompleta.

Com o blog Edutech, do Banco Mundial

Comentar Comentar via Facebook

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

    5 COMENTÁRIOS

    1. Estou impressionada! Estados Unidos, Uruguai, Peru, Argentina, Brasil, Tailândia, Índia, Quenia, Ruanda, Portugal…. países de todos os continentes distribuindo milhares de lap-tops e tablets aos alunos desde 2008 ou até antes dessa data?

      E, até agora, a única coisa que se sabe são os NÚMEROS DE EQUIPAMENTOS distribuídos????

      Nenhum resultado comprovadamente positivo para a educação?
      Não foi avaliado se os alunos estão mais interessados nos estudos?
      Se estão motivados a aprender por sua própria iniciativa?
      Se os alunos sabem ler, escrever e calcular melhor do que a geração anterior da lousa e giz?

      Pelo visto, por enquanto, só as empresas fabricantes de computadores, tabletes, softwares, celulares, aplicativos e jogos eletrônicos estão levando vantagens nessa onda tecnológica. Com certeza, suas vendas estão indo muito bem.

    2. Pingback: 10 #hashtags que todo professor deveria acompanhar | PORVIR

    3. Pingback: iPad facilita aprendizado de Ciências, diz estudo | PORVIR | Observatório de Tecnologias Educacionais

    4. Pingback: iPad facilita aprendizado de Ciências | TOPICT Learning