Alunos usam celular para produzir filmes e discutir cultura local - PORVIR
Crédito: rostyslav84 / Fotolia.com

Diário de Inovações

Alunos usam celular para produzir filmes e discutir cultura local

Professora do Macapá (AP) conta como trabalhou com dispositivos móveis para explorar a linguagem das imagens e narrar diferentes os pontos de vista

por Nilva Oliveira dos Santos ilustração relógio 20 de junho de 2018

O celular é um recurso tecnológico presente na vida do estudante. Por meio do projeto educativo “Olhou, Clicou, Gravou! Olhares Audiovisuais Coletivos”, realizamos vivências cidadãs com o universo audiovisual, explorando a linguagem das imagens e narrando os pontos de vista por meio do uso de dispositivos móveis na Escola Estadual Maria do Carmo Viana dos Anjos, em Macapá (AP).

Assim, produzimos narrativas por meio de fotografias e vídeos de curtíssima duração. Trabalhamos com produções no formato “de bolso”, que permitem a experimentação de aprendizagens dentro e fora da escola, em comunidades rurais inclusive. Além disso, por meio do projeto, procuramos desenvolver em jovens e adolescentes uma série de competências e habilidades, como o uso de diversas linguagens, a criatividade, a colaboração, o diálogo e a negociação entre pontos de vistas divergentes.

Leia mais:
– Cinema e suas diferentes formas de ensinar
– 7 dicas de como levar o cinema nacional para escola
– Projeto fotográfico mapeia escolas pelo olhar de alunos
Maioria das escolas fica só na análise ao trabalhar fotos e filmes

Para começar o projeto, apresentamos os aspectos funcionais na hora de tirar fotografias com celular e fazer vídeos. Em seguida, mostramos diversos exemplos de planos fotográficos e falamos sobre os conceitos de longa, média, curta e curtíssima metragem, além dos planos de filmagem e elaboração de roteiros.

Depois de tratar os aspectos funcionais, apresentamos a proposta de duas atividades específicas: Educação Não Tem Cor e Recursos Hídricos de Macapá. Na primeira, os estudantes fizeram fotos semelhantes ao projeto estético Pantone, da artista Angélica Dass, em que eles tiraram fotos de diversos braços humanos e organizaram uma exposição.

Na outra atividade, os alunos foram convidados a refletir acerca da forma como tratamos os recursos hídricos. Fizemos uma visita na Orla de Macapá e fotografamos diversos ângulos o Rio Amazonas, com objetivo de trabalhar a fotografia jornalística e a narrativa crítica por imagens.

Especial Mão na Massa: saiba como montar um projeto que funciona

À medida que contextualizamos o conhecimento, os estudantes começaram a se transformar em produtores dos próprios recursos de aprendizagem e criaram um forte sentimento de pertencimento ao lugar em que estavam inseridos. Vale ressaltar que de acordo com os aspectos pedagógicos, fotografias e vídeo de bolso servem de recurso para a construção de narrativas, conhecimentos e relações dialógicas entre todos os atores envolvidos com o ensino-aprendizagem.

De imediato, o projeto está gerando impacto no público escolar, com jovens incentivados a produzirem narrativas visuais, seja com fotografias ou filmes. Além de aprenderem o básico desses enredos narrativos, a médio prazo novos grupos de pessoas receberão os conhecimentos e experiências fílmicas.

Além da capital, outros municípios serão abrangidos com o projeto, de modo a fomentar as narrativas sob olhares locais, incentivando a cultura e a história do Amapá. Por meio de videoconferências, iremos compartilhar experiências e apresentar os resultados deste trabalho durante o CIET: ENPED 2018 – Congresso Internacional de Educação e Tecnologias, que acontece na Universidade de São Carlos (UFScar), em São Paulo, de forma a projetar internacionalmente o estado do Amapá.

– Faça como a professora Nilva e envie seu relato para a seção Diário de Inovações
– É grátis: Baixe o ebook dos professores finalistas do Desafio Diário de Inovações


Nilva Oliveira dos Santos

Graduada em letras pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2003). Trabalhou no ensino superior com a disciplina de língua portuguesa no curso de direito e literatura infantil e no curso de pedagogia, no Instituto de Educação Superior de Campo Grande (ICG). Atua na rede privada em Campo Grande (MS). Ministrou cursos de capacitações para professores na rede estadual de Mato grosso do Sul e no Amapá. Atualmente é professora concursada na rede estadual do Governo do Estado do Amapá, há 12 anos. Tutora no curso de letras na Universidade Norte do Paraná (UNOPAR). Fez especialização em metodologia do ensino da língua portuguesa e literaturas. Tem diversas formações continuadas na área de tecnologias da informação e comunicação.

TAGS

cinema, dispositivos móveis, educação mão na massa, ensino médio, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação