Clube de história estuda cultura afro-brasileira em escola de ensino médio - PORVIR
Crédito: obin_ph / Fotolia.com

Diário de Inovações

Clube de história estuda cultura afro-brasileira em escola de ensino médio

Professor compartilha como promoveu a pesquisa e a popularização da cultura negra em colégio estadual da cidade de Catu (BA)

por Delmaci Ribeiro de Jesus ilustração relógio 23 de maio de 2018

Apesar das leis 10.639/03 e 11.645/08 determinarem que o debate sobre história da cultura africana e afro-brasileira deve estar presente no ambiente escolar, isso ainda não é uma realidade em exercício em muitas instituições de ensino do país. Nesse contexto, criamos o Clube de História, que visa promover a pesquisa e a popularização da cultura negra nas suas diferentes representações, para que os estudantes sejam protagonistas e sujeitos do processo de ensino e aprendizagem.

Essa atividade é desenvolvida com estudantes do ensino médio do Colégio Estadual Maria Isabel de Melo Góes, na cidade de Catu (BA). Mesmo estando em um espaço de educação formal (a escola), o Clube se caracteriza por ser uma atividade educativa não-formal, que propõe mudanças sociais a partir da reflexão histórica, social, política e econômica.

Mais sobre cultura afro-brasileira na escola:
– 
Histórias sobre cabelos ensinam cultura afro
– Escolas públicas empoderam alunos com projetos de equidade racial e de gênero
– O que o candomblé pode ensinar às crianças

A proposta é estimular o estudo de forma que garanta a compreensão e a valorização do indivíduo enquanto sujeito social, possibilitando uma aprendizagem significativa. Tal metodologia possibilita a construção do conhecimento numa perspectiva autônoma, que valoriza a identidade e o empoderamento da cultura afro-brasileira em suas diferentes manifestações.

A metodologia de funcionamento do Clube de História está organizada nas seguintes etapas:

1) Definição dos encontros do Clube de História, que ocorrem uma vez por semana, para a leitura, discussão e produção textos sobre a história local. Os textos serão, majoritariamente, de autoria dos estudantes e do professor orientador;
2) Orientação dos projetos de pesquisas dos estudantes, para submissão em Feiras de Iniciação Científica Júnior;
3) Realização de Oficina sobre história local, em parceria com os professores, possibilitando aos estudantes do Clube de História divulgarem suas pesquisas;
4) Avaliação da efetividade desse projeto enquanto estratégia pedagógica de ensino não-formal de história, de práticas de iniciação científica na educação básica e enquanto instrumento de construção da cidadania do estudante, na perspectiva de valorização do sentimento de pertencimento, sobretudo dos jovens, em relação à cultura negra na cidade de Catu.

Educar pela pesquisa e propor uma investigação que torne possível a valorização da cultura negra é de fundamental importância para que a juventude construa uma relação de pertencimento com a sociedade na qual está inserida.

Para tanto, é necessário desenvolver uma consciência histórica que possibilite aos jovens dos bairros periféricos estudar a sua própria cultura e contextualizá-la no tempo vivido por eles, a partir da releitura de uma história que vem sendo silenciada e reduzida a estereótipos folclóricos.

Uma prática educativa capaz de efetivamente de gerar transformações precisa ter início ainda na educação básica, pois a pesquisa começa na infância, não no mestrado.

– Faça como o professor Delmaci e envie seu relato para a seção Diário de Inovações
– Baixe o ebook dos professores finalistas do Desafio Diário de Inovações


Delmaci Ribeiro de Jesus

Graduado em licenciatura plena em história (Universidade do Estado da Bahia). Especialista em educação científica e popularização das ciências (Instituto Federal Baiano). Mestrando em história da África, Diáspora e Povos Indígenas (Universidade Federal do Recôncavo da Bahia).

TAGS

aprendizagem baseada em projetos, educação infantil, educação mão na massa, ensino fundamental, ensino médio, ensino superior

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação