Nestes 10 anos de Porvir, apontamos muitas tendências. Quais as próximas? - PORVIR
Crédtio: KeremYucel/iStockPhoto/Ronaldo Abreu/Porvir

Inovações em Educação

Nestes 10 anos de Porvir, apontamos muitas tendências. Quais as próximas?

Confira a seguir um compilado de tendências para a educação nos próximos anos

por Maria Victória Oliveira ilustração relógio 29 de dezembro de 2022

Em um verdadeiro oceano de tendências e diferentes estratégias para promover a aprendizagem, existem denominadores comuns que, segundo educadores e especialistas na área, devem ser observados para a construção de uma educação inovadora e interessante, com qualidade e equidade para todos os estudantes brasileiros, superando os desafios listados em nossa postagem anterior, “Quais os desafios atuais e urgentes da educação?”.

Confira a seguir um compilado de tendências para a educação nos próximos anos. 

  1. Uso de dados: o processo de tomada de decisões, construção do currículo, escolhas, monitoramento e avaliação da aprendizagem deve acontecer com base em conhecimentos, evidências, dados de aprendizagem e estudos que mostram o que dá resultados, como escolas devem funcionar, como os estudantes aprendem, como educadores devem ensinar, como devem funcionar as secretarias da educação. É importante ter educadores capacitados para ler e utilizar essas informações;
  2. Uso de ferramentas e metodologias que se conectem às realidades de crianças e jovens e façam sentido para eles;
  3. Personalização do ensino: principalmente depois da pandemia, o nível de heterogeneidade em sala de aula é grande. Como dar conta de todos, considerando diferenças socioeconômicas, de raça, etnia, de gênero, de geografia? Buscando compreender mais a fundo as necessidades de cada aluno e oferecer oportunidades de acordo com os perfis e demandas, para que todos possam avançar; 
  4. Uso de metodologias ativas que apoiem a ação dos educadores e incentivem a participação ativa dos estudantes; 
  5. Educação mais mão na massa com resolução de problemas e desafios reais; 
  6. Inteligência artificial, realidade aumentada e machine learning aliados à educação para professores, alunos e gestores, ferramentas que podem ser usadas para tirar dúvidas, para escrever, desenhar, ilustrar e aprender e tornar o processo de ensino-aprendizagem mais interativo e eficiente;
  7. Trilhas concretas, adaptativas e personalizáveis, com uma diminuição de aulas expositivas e o aumento significativo de tutorias e acompanhamentos mais personalizadas e próximos; 
  8. Mudança do formato da escola para um lugar de encontro entre pares mais e menos experientes, com apoio de uma equipe docente que construirá currículos e fará tutoria e curadoria de materiais.

Contribuição da BNCC e Novo Ensino Médio 

Tendo em vista os avanços, desafios que persistem e as tendências para os próximos anos no campo da educação, a BNCC (Base Nacional Comum Curricular) e o Novo Ensino Médio estão alinhados e têm o potencial de responder a essas questões? De que forma as tendências citadas por educadores e especialistas se alinham ao que os documentos preconizam? Confira a seguir. 

“Reformas como a BNCC e o Novo Ensino Médio podem ter seus pontos de aprimoramento, mas já apontam para questões como educação integral, metodologias ativas, foco no desenvolvimento de competências, maior protagonismo dos estudantes, mais foco na diversidade, cuidado com desigualdades e conexão com a contemporaneidade. De alguma forma, essas políticas já apontam para onde a gente deve chegar no sentido de oferecer uma educação que faça mais sentido e de fato prepare os estudantes para a vida no século 21.” 

Anna Penido, conselheira do Porvir e diretora do Centro Lemann 

“Creio que a BNCC e o Novo Ensino Médio já trazem no seu escopo o desejo de gerar uma diversidade de linguagens e saberes, dando autonomia aos alunos e permitindo currículos diversos, com o apoio a trilhas de aprendizagem e aprofundamentos em diferentes áreas do saber. Se faz necessário ter estes materiais como base e boa estrutura para que, a partir deles, se apoie e mire no futuro da educação esperado e inesperado.”

Doug Alvoroçado, professor 

“A BNCC veio para que todas as escolas trabalhem da mesma forma com o educando, além de trazer a inserção da tecnologia em sala de aula e o aluno como protagonista de seus estudos. Já sobre o Novo Ensino Médio, os professores vão precisar trabalhar com projetos, o que, talvez, haja um pouco de dificuldade tendo em vista que ainda há resistências de alguns para o novo e para o fato de que os conteúdos devem ser trabalhados como um todo. Tenho expectativas boas para essa nova prática de aprendizagem, focando no interesse dos alunos e na conversa entre os pares para melhorar cada dia mais a educação no Brasil.” 

Giovana Picolo, professora 

Leia também


Como parte das atividades de celebração aos 10 anos do Porvir, a mostra interativa e multimídia “Encontro com o Porvir: trajetória de educadores que transformam o presente e constroem o futuro” acontece até 3 de fevereiro, no Museu Catavento – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, localizado na região central de São Paulo (SP). Além das 148 contribuições recebidas em uma campanha de financiamento coletivo, somam-se aos parceiros e apoiadores oficiais do projeto: Camino School, Faber-Castell, FTD Educação, Fundação Educar, Instituto Ayrton Senna e Red Balloon.

Régua de logos da exposição Encontro com o Porvir


TAGS

educação integral, educação mão na massa, ensino fundamental, ensino médio, formação continuada, ​​Porvir em 10 anos

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
Aproveite as férias escolares para visitar a exposição 'Encontro com o Porvir'Saiba mais
0
É a sua vez de comentar!x
()
x