O coronavírus e a educação online - PORVIR
Crédito: MarsYu/iStockPhoto

Inovações em Educação

O coronavírus e a educação online

Como a pandemia do COVID-19 representa uma oportunidade de aprender importantes lições sobre educação massiva online

por Lúcia Dellagnelo ilustração relógio 11 de março de 2020

Neste momento, por conta da epidemia do coronavírus COVID-19, aproximadamente 290 milhões de crianças e jovens em todo mundo estão sem frequentar a escola. Alguns países têm adotado estratégias de educação online e por outras mídias para garantir a continuidade das atividades curriculares.

A China acaba de anunciar uma plataforma nacional de ensino que oferece conteúdos e recursos educacionais digitais em áreas como: prevenção da epidemia, educação moral, disciplinas do currículo nacional, além de milhares de outros recursos educacionais, como filmes e jogos.

Milhares de professores estão gravando aulas diárias, oferecidas de forma síncrona e assíncrona, e preparam atividades de feedback (retorno) e avaliação a fim de manter contato com seus alunos e dar continuidade ao processo educacional.

Importantes questões têm sido levantadas a partir dos primeiros relatos desta experiência massiva de educação online. Professores parecem estar exaustos pelo aumento da carga de trabalho na preparação dos materiais e na gravação das aulas. Relatam também se sentir despreparados para ensinar nesta nova modalidade – que requer novo tipo de planejamento e produção de materiais específicos.

Estudantes relatam ter saudade da escola: sentem-se sozinhos e isolados em casa. Alguns pais dizem não conseguir ou não saber como apoiar os filhos na realização de atividades escolares.

Lições a aprender

Em meio ao clima de preocupação mundial com a disseminação do COVID-19, teremos a oportunidade de aprender importantes lições sobre educação massiva online.

Precisamos formar professores capazes de ensinar por várias modalidades e que saibam integrar a tecnologia no processo ensino-aprendizagem

Para mim, a primeira lição é que precisamos formar professores capazes de ensinar por várias modalidades e que saibam integrar a tecnologia no processo ensino-aprendizagem. Isto significa formar professores para novas maneiras de interação com seus alunos e para o planejamento de experiências de aprendizagem diferenciadas.

A segunda é que a escola continua sendo o principal locus de interação para crianças e jovens, tanto em questões de aprendizagem quanto de suas relações sociais. Portanto, é irreal e inadequado pensar em educação totalmente online para alunos no ensino básico.

Estes relatos iniciais têm reafirmado a crença, que compartilhamos no CIEB (Centro de Inovação para a Educação Brasileira), de que professores e alunos devem ser preparados para vivenciar experiências de ensino-aprendizagem inovadoras mediadas por tecnologias, capazes de ampliar e transformar – mas não substituir – a escola.

Leia mais:
– Ferramenta permite ao professor avaliar suas competências em tecnologia
– O que é ser um bom professor?
– 4 formas de fazer o professor querer usar tecnologia
– Conheça o guia Tecnologia na Educação do Porvir
– Conectividade e cultura escolar são barreiras para uso de celular em sala de aula


TAGS

coronavírus, educação infantil, educação online, ensino fundamental, ensino médio, ensino superior, formação continuada, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação