Plataforma integra escolas e edtechs com login e senha únicos - PORVIR
Svetlana Borovkova/iStockPhoto

Inovações em Educação

Plataforma integra escolas e edtechs com login e senha únicos

Instituições de ensino podem ter acesso a ferramentas digitais por meio do HUB.Educacional. Dados são compartilhados de forma anônima e uso vai gerar informações sobre aprendizagem dos estudantes.

por Fernanda Nogueira ilustração relógio 11 de outubro de 2019

Escolas e secretarias de ensino podem contar agora com o uso de uma plataforma de integração que facilita o acesso de alunos e professores a serviços educacionais digitais. O HUB.Educacional usa uma tecnologia que permite aos usuários o acesso a várias ferramentas diferentes com os mesmos dados, sem precisar de cadastros, logins e senhas diferentes para cada uma.

O uso da plataforma traz benefícios para todos os envolvidos, segundo Christiano Grillo Justus, gerente de produtos do HUB.Educacional. As escolas contam com a garantia de que os dados pessoais dos alunos e funcionários serão compartilhados de forma anônima, o que adiciona uma camada de segurança no ambiente virtual e ampara a instituição em relação à legislação.

“Um único processo de integração de dados também propicia maior agilidade nos processos de cadastro, caso a escola opte por implantar novas soluções, ou, simplesmente, realizar atualizações periódicas necessárias. Tudo isso sem custos para a instituição de ensino”, diz Christiano. As escolas terão ainda suas necessidades mapeadas e, assim, poderão optar por receber informações sobre quais soluções podem ajudar a melhorar a gestão e a aprendizagem dos alunos.

Leia mais:
– Onde estão e o que fazem as empresas de tecnologia educacional no Brasil
– Lista aponta 10 startups que mais se destacaram na área educação
– Por que escolher um coworking de educação para sua startup?
– Como promover conexões produtivas entre empreendedores e educadores

A plataforma foi modelada para atender as especificações da nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) brasileira, com o objetivo de amplificar o controle sobre os dados pessoais para as instituições de ensino e proporcionar adequação às regras da nova lei para as edtechs.

Essa adequação de escolas e empresas de tecnologia será de extrema importância com a entrada em vigor da lei em agosto de 2020, segundo Álvaro Cruz, vice-presidente de tecnologias educacionais da indústria Positivo, que opera o HUB.Educacional, e conselheiro de governança do Hubedu.org, movimento internacional sem fins lucrativos focado na compreensão da cartografia de aprendizagem dos estudantes em todo o mundo, com o objetivo de aumentar as experiências escolares e construir políticas educacionais adequadas. “A lei protege os dados pessoais das crianças. O dirigente poderá responder pessoalmente e penalmente pelo uso distinto da educação”, explica.

Uma medida de segurança oferecida pelo HUB é a anonimização dos dados fornecidos pelos usuários. De acordo com Christiano, quando o aluno de uma escola compartilha um dado pessoal, essa informação ganha uma “máscara”, que faz com que apenas colegas e o professor identifiquem aquele estudante dentro da ferramenta digital usada. “Por exemplo, ao invés de enviar um nome completo, apenas o primeiro nome e a primeira letra do segundo (nome) são enviados. A instituição pode, a qualquer momento, revogar e/ou auditar o acesso aos dados (quando ocorreu o acesso, qual foi a solução utilizada, quais informações foram compartilhadas, etc) e pode também definir quais dados deseja compartilhar com cada solução”, diz.

Educadores e gestores podem contar com a facilidade de um login único para acessar as ferramentas digitais e têm acesso a uma área de relatórios para acompanhar a evolução dos alunos de forma abrangente em um único ambiente. O uso também fica mais fácil para os estudantes, com acesso a um único login nas atividades em sala de aula.

“O HUB.Educacional cria um ambiente propício para a visualização da cartografia da aprendizagem dos alunos, possibilitando a visualização de relatórios consolidados sobre o uso de cada solução. Em um segundo momento, com um volume de dados significativo, o HUB poderá combinar diversas informações e experiências dos alunos, transformando-as em tendências e insights relevantes tanto para os docentes quanto para os alunos e pais”, afirma Christiano.

A plataforma pode cooperar para melhorar a educação do país, segundo Álvaro. “Cria a possibilidade de que pais, alunos, escolas, secretarias e o país entendam melhor o aluno 4.0, que usa a tecnologia de forma diferente”, explica.

As edtechs, empresas de tecnologia educacional, se beneficiam de várias formas com a integração à plataforma. Elas alcançam múltiplas instituições de ensino sem a necessidade de adaptar o modelo de dados para cada uma delas e fazem a integração automática com diversos sistemas acadêmicos.

“Ter sua solução pronta para ser disponibilizada em qualquer instituição de ensino contribui para aumentar a visibilidade no meio educacional, bem como reduz sensivelmente o custo de aquisição do cliente (CAC). Da mesma forma que ocorre com as instituições de ensino, ao receber os dados de forma anonimizada as edtechs economizam esforços em adaptar a sua solução para atendimento às novas regras da LGPD”, explica Christiano.

Segundo o gerente de Produtos, como o uso da plataforma é gratuito para as escolas, o modelo de negócios é baseado na parceria com as edtechs, que remuneram o HUB.Educacional pelos serviços de integração com os sistemas acadêmicos, pela adequação à legislação e pelos diagnósticos gerados pela inteligência artificial da plataforma.

Paulo Sponchiadom, da GenneraDivulgação

Paulo Sponchiado, da Gennera

Alguns exemplos de empresas que já firmaram parceria com o HUB.Educacional são Aprimora, Big Brain, Canvas, Educacional, Escola em Movimento, Eskolare, Gennera, Instituto Monitor, Inventura, Oficina do Livro, Pense Matemática, Schood, Schoolastic, TutorMundi e VCMaker.

Edtechs

Para Paulo Cesar Sponchiado, diretor de mercado da plataforma de gestão educacional Gennera, a integração é uma preocupação constante das escolas. “O HUB permite que, em um único ambiente, todas as tecnologias envolvidas possam se comunicar com segurança e sem a necessidade da escola se envolver diretamente com os diferentes fornecedores destas tecnologias”, diz.

De acordo com o CEO da Schoolastic, Luiz Fernando Orlandini, o HUB.Educacional funciona como uma vitrine para a plataforma, que usa a inteligência artificial para identificar padrões de habilidades e competências de estudantes e gerar planos de ação para o desenvolvimento da aprendizagem. “A grande vantagem do HUB para as escolas é a facilidade e segurança de poderem ter todas as suas aplicações educacionais acessíveis com um usuário e senha únicos, com baixo custo e a segurança de que não precisam enviar arquivos para cada edtech que contratarem, contando com o HUB como uma camada de segurança para seus dados, conforme a nova LGPD”, afirma.


*** Como funciona o HUB.Educacional

Como ocorre a integração no HUB.Educacional:
– O HUB integra dados pessoais com as soluções digitais utilizadas pela instituição de ensino
– A integração ocorre quando o sistema acadêmico utilizado sincroniza os dados com o HUB, que, de forma anonimizada, envia automaticamente os dados requisitados pelas demais aplicações, desde que autorizado pela instituição
– A plataforma usa uma API de integração para receber os dados de um sistema acadêmico, chamada de API Sync, responsável por receber e validar dados.

Modelos de integração para enviar dados para as edtechs:
Modelo 1: a API recebe os dados do usuário no momento em que o acesso é feito, utilizando um padrão chamado de LTI (Learning Tools Interoperability), muito usado para integrar soluções com sistemas de gerenciamento de conteúdo
Modelo 2: qualquer alteração nos dados de cadastro é notificada, assim o cadastro do usuário é enviado para as aplicações sempre que houver uma atualização, isso garante que todos os dados sempre estejam atualizados nas soluções educacionais usadas pela instituição

Integração da edtech:
– A empresa deve solicitar o cadastro ao HUB.Educacional
– Após a aprovação, a edtech deve implementar um dos modelos de integração disponíveis, ou utilizar ambos
– Para isso, é preciso acessar a área para desenvolvedores no site da plataforma. Lá, a empresa irá encontrar SDKs para integração em diversas linguagens, além de canais de suporte para auxiliarem no processo


TAGS

aplicativos, educação infantil, ensino fundamental, ensino médio, ensino superior, tecnologia

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação