'Problemas de convivência começavam na internet' - PORVIR
Crédito: NLshop / Fotolia.com

Diário de Inovações

‘Problemas de convivência começavam na internet’

Professor conta como briga entre alunas na rede social deu origem a um projeto sobre uso consciente do ambiente online

por Pedro Satiro ilustração relógio 8 de abril de 2015

Eu vivo me aventurando fora da minha área. Sou formado em matemática e há dois anos fui designado para assumir a função de orientador de informática educativa. No começo de 2014, ao entrar na sala de aula de uma turma de 9ª ano, notei que os alunos estavam agitados, comentando sobre uma briga entre duas meninas do 4ª ano. Eles olhavam para os celulares e acompanhavam uma discussão online, onde as jovens trocavam ofensas públicas pela rede social. Eu tentei intervir, mas eles estavam muito eufóricos. 

Aproveitei o momento para conversar com os alunos sobre o assunto e eles me contaram que esse tipo de situação era mais comum do que eu pensava. Após um período de discussão, chegamos à conclusão que muitos problemas de convivência escolar começavam na internet. Sabemos que muitas vezes os meninos usam as redes sociais sem ter a idade mínima exigida e os pais não acompanham isso.

Diário de Inovações_interna1Crédito: Arquivo pessoal

 Tivemos uma discussão muito rica na sala de aula e pensei que o tema poderia servir de gancho para os alunos desenvolverem o Trabalho Colaborativo de Autoria, uma atividade obrigatória para todos que concluem o ensino fundamental na rede pública de São Paulo. Eles ficaram empolgados e sugeriram que elaborássemos dicas para os alunos mais novos sobre o bom uso da internet.

Iniciamos o projeto, chamado Problemas do Território Virtu@l, com discussões na plataforma Edmodo. Publiquei algumas perguntas e eles começaram a comentar com discussões e pesquisas sobre o assunto. Por exemplo, o que pode existir de tão perigoso nas redes sociais para haver uma restrição de idade? Eu queria que eles refletissem sobre isso e percebessem outras questões além do cyberbullying.

Na sequência, publiquei um questionamento sobre o papel da família, da escola e da comunidade na orientação de crianças e jovens para o uso consciente da Internet em que eles começaram a sugerir diversas intervenções que poderiam ser feitas. Por fim, discutimos a importância do Dia da Internet e do Helpline (serviço de ajuda contra crimes e violações dos direitos humanos na rede). Após a leitura de tudo o que foi postado no ambiente colaborativo, tiramos as nossas primeiras conclusões e definimos as direções necessárias para a próxima etapa.

Diário de Inovações_interna2Crédito: Arquivo pessoal

 

A princípio seria apenas um trabalho de informática, mas a coisa foi crescendo e envolvendo a escola inteira. Foi então que professores de outras disciplinas começaram a me ajudar: Sandra Oliveira Ramos (língua portuguesa), Pascoalina Borges (língua inglesa), Elizabeth Ferreira dos Santos (geografia), Francisco Coutinho (ciências), Luzia Marcatto (matemática) e Flávia Pereira Alves (artes), além da diretora Jane Rodrigueiro.

A gente tentou criar espaços onde os alunos poderiam explorar suas ideias iniciais a partir de discussões em fóruns. Tínhamos o papel de orientar e provocar. Organizamos os jovens em grupos de trabalho e eles começaram a sugerir ações sobre o tema com base nas suas próprias habilidades. Foram cartazes, palestras, teatros, paródias, histórias, músicas, roteiros de curtas e animações interativas, planejamento de gincana e jogos. Isso fez com que escola ganhasse um movimento de liberdade para criar. Foi uma aula além da aula.

Todos os trabalhos foram apresentados na escola durante a Semana da Criança, em outubro do ano passado. Os alunos interagiram e convidaram turmas de outros anos para participarem da atividade. Essa troca de informações entre alunos de diferentes idades foi interessante. Em um primeiro momento, os jovens estavam inseguros, mas depois que eles começaram já estavam mais soltos e com desenvoltura para falar sobre isso. Afinal, esse é o mundo que eles dominam e vivenciam todos os dias. É muito melhor eles falarem sobre internet para os outros colegas do que um professor.

Também fizemos apresentações do projeto para a comunidade no Dia da Família na Escola. Aproveitamos esse momento para falar com os pais sobre o assunto e orientar sobre o uso seguro da internet.

Esse projeto me fez perceber que só é possível ter bons resultados na escola quando se trabalha em parceria. Contei com o apoio de muitos colegas, mas o maior ganho foi ter a participação dos alunos. O mais interessante foi que, conforme os alunos interviam, o projeto foi tomando caminhos diferentes durante o ano. Se tivesse que definir a fórmula dessa prática, diria que ela foi baseada em pesquisa, parceria e tecnologia. Temos um grande desafio de estimular o trabalho coletivo e a criatividade com o uso da tecnologia.

Confira o link para a descrição detalhada do desenvolvimento do projeto aqui.


Pedro Satiro

Formado em matemática, trabalha desde 2012 na Emef Madre Maria Imilda do Santíssimo Sacramento. Em 2013 foi designado para a função de professor orientador de informática educativa. Atualmente, trabalha desenvolvendo projetos com tecnologia.

TAGS

aprendizagem baseada em problemas

5
Deixe um comentário

avatar
500
5 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
5 Autores
Sandra lúcia de MoraesTécnica HotmartTécnica HotmartMarlene Correia NakayamaSandra lúcia de Moraes Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Sandra lúcia de Moraes
Visitante
Sandra lúcia de Moraes

parabéns professor, precisamos de pessoas como você na educação, interagir na tecnologia é o que alunos gostam.

Sandra lúcia de Moraes
Visitante
Sandra lúcia de Moraes

parabéns professor, precisamos de pessoas como você na educação, interagir na tecnologia é o que alunos gostam.

Marlene Correia Nakayama
Visitante
Marlene Correia Nakayama

Parabéns professor pela excelente ideia! Sabe-se que crianças e adolescentes passam horas conectados as redes sociais e nem sempre de forma saudável,cabe aos pais orientá-los bem como nós professores.

Técnica Hotmart
Visitante
Técnica Hotmart

Gostei muito do site, vou acompanhar, aguardo novas dicas.

Técnica Hotmart
Visitante
Técnica Hotmart

Gostei muito do site, vou acompanhar, aguardo novas dicas.