Professor indiano conquista o 'Nobel da Educação' de 2020 e divide prêmio com finalistas - PORVIR
Crédito: Microsoft News India

Inovações em Educação

Professor indiano conquista o ‘Nobel da Educação’ de 2020 e divide prêmio com finalistas

Ranjitsinh Disale vence o Global Teacher Prize, premiação realizada por Varkey Foundation e Unesco, por um trabalho que promove a educação de meninas. Brasileira Doani Bertan ficou entre os 10 finalistas

por Vinícius de Oliveira ilustração relógio 3 de dezembro de 2020

O professor indiano Ranjitsinh Disale foi o vencedor do Global Teacher Prize de 2020. Conhecido como ‘Nobel da Educação’, o prêmio é promovido pela Varkey Foundation em parceria com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). Além do troféu, o professor Disale receberá US$ 1 milhão. Logo após receber a notícia, ele anunciou que vai dividir 50% do prêmio (US$ 500 mil) entre os demais finalistas.

Disale, 31, foi o escolhido entre mais de 12.000 indicações e inscrições de mais de 140 países ao redor do mundo. A professora brasileira Doani Bertan ficou entre os 10 finalistas, em uma lista que inclui ainda o malaio Samuel Isaiah, o nigeriano Olasunkanmi Opeifa, o britânico Jamie Frost, o italiano Carlo Mazzone, a sul-africana Mokhudu Cynthia Machaba, a americana Leah Juelke e o sul-coreano Yun Jeong-hyun.

A reação do professor Ranjitsinh Disale

A história do professor Ranjitsinh Disale
Disale inicialmente pensava em seguir carreira como engenheiro de TI, mas depois perceber que a vida na faculdade de engenharia não estava dando certo como ele esperava, seu pai sugeriu a formação de professores como alternativa. Inicialmente hesitante, o tempo de Ranjitsinh na faculdade de educação mudou sua vida e se convenceu que os professores são os verdadeiros agentes de mudança no mundo e decidiu seguir a profissão.

Disale começou sua trajetória como educador em 2009, em uma escola pública Zilla Parishad da vila de Solapur, no estado de Maharashtra. A instituição tinha pouca infraestrutura, e ficava espremida entre um curral e um armazém. A frequência escolar era lamentavelmente baixa, pois os pais preferiam que os meninos ajudassem em trabalhos domésticos para complementar a renda, uma vez que boa parte da população vive abaixo da linha de pobreza (US$ 1,90 diário). Para as meninas, a educação simplesmente não era uma prioridade. Isso levou Disale a ir pessoalmente até as casas dos alunos para convencer as famílias sobre a importância dos estudos.

O professor Ranjitsinh Disale durante videoaulas com seus alunos durante a quarentenaCrédito: Reprodução

O professor Ranjitsinh Disale conversa com alunos em videoaula durante a quarentena

Para além dessa abordagem, o professor sabia que outra mudança envolveria seu próprio trabalho. Ele tinha que transformar sua sala de aula em um lugar que as crianças desejassem entrar todos os dias. Entre outras iniciativas, trabalhou para que os materiais didáticos estivessem disponíveis na língua local para os alunos. Com apoio da tecnologia, Disale passou a promover a personalização da aprendizagem ao inserir códigos QR para que as crianças pudessem, ao seu próprio ritmo, ter acesso a poemas em áudio, videoaulas, histórias e tarefas. “Meu objetivo é criar um ambiente seguro para que todos os estudantes desenvolvam a curiosidade e consigam resolver problemas para contribuir com a comunidade”, disse o professor no vídeo que você vê abaixo. O impacto de suas intervenções foi tamanho que atualmente não há casamentos de adolescentes na aldeia e as meninas registram uma taxa de frequência escolar de 100 por cento. “Promover a educação para meninas é mais do que fazer com que elas compareçam à escola, é fazer com que elas se sintam seguras na comunidade e na sociedade”, disse.

Promover a educação para meninas é mais do que fazer com que elas compareçam à escola, é fazer com que elas se sintam seguras na comunidade e na sociedade

Em razão da pandemia, as escolas de Maharashtra ficaram fechadas por seis meses. No entanto, o professor tem conseguido promover o ensino remoto para seus alunos, que, assim como no Brasil, dependem do celular para acompanhar as atividades. Para além do trabalho com seus alunos, Disale quer ir mais longe. Ele está desenvolvendo um plano de 10 anos com o objetivo de alcançar a Meta de Desenvolvimento Sustentável 16 estabelecida pelas Nações Unidas, que trata da promoção da paz e criação de uma sociedade inclusiva. Disale até criou um grupo formado por estudantes que realiza reuniões online sobre como o ódio e a guerra podem ser interrompidos e como a paz e a confiança podem ser cultivadas. Ele costuma chamar esses jovens de “Soldados da Paz”.

Por todos esses esforços, o professor Disale e sua escola têm colecionado prêmios na Índia. A Zilla Parishad foi considerada a Melhor Escola do distrito em 2016 por 98% dos alunos terem alcançado os objetivos de aprendizagem antes mesmo de concluírem o ano letivo. Em termos de impacto mais amplo, o presidente-executivo da Microsoft Satya Nadella, que também é indiano, reconheceu o trabalho de Ranjitsinh como uma das três histórias de destaque da Índia em seu livro “Hit Refresh” (em português, “Aperte o F5“). O governo indiano também nomeou o professor como o Pesquisador Inovador do Ano em 2016, e ele ganhou o prêmio de Inovador do Ano pela National Innovation Foundation em 2018. Disale já compartilhou suas práticas em mais de 500 artigos para jornais e blogs, bem como em debates na televisão.

Vídeo do Global Teacher Prize mostra projetos do professor Ranjitsinh Disale

Novidades do Global Teacher Prize
Pela primeira vez, o anúncio do vencedor do Global Teacher Prize foi feito em um evento virtual transmitido a partir do Museu de História Natural de Londres, na Inglaterra. O comediante, ator, escritor e apresentador britânico Stephen Fry foi mestre da cerimônia.

Neste ano, a premiação também incluiu um reconhecimento especial, o Global Teacher Prize COVID Hero, para o professor britânico Jamie Frost, que criou um site gratuito para ensino de matemática. O DrFrostMaths.com é usado por 7.580 escolas ao redor do mundo.

A Varkey Foundation também programa para o próximo ano uma nova categoria, Chegg.org Global Student Prize, que vai destinar US$ 50 mil a estudantes que realizam projetos de impacto que melhoram a aprendizagem de seus pares e trazem benefícios para a sociedade.

As inscrições para o Global Teacher Prize 2021 serão abertas em janeiro.


TAGS

competências para o século 21, personalização, prêmios, tecnologia

2
Deixe um comentário

avatar
500
2 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
2 Autores
CláudiaPousada na Ilha Grande Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Pousada na Ilha Grande
Visitante
Pousada na Ilha Grande

Grande professor

Cláudia
Visitante
Cláudia

Congratulations!!