Projeto conecta crianças de vários países para debater sustentabilidade - PORVIR
Crédito: Divulgação / Maple Bear

Inovações em Educação

Projeto conecta crianças de vários países para debater sustentabilidade

A partir de um intercâmbio virtual entre estudantes da Maple Bear, iniciativa promove aprendizagem sob diferentes óticas culturais, sociais e econômicas

por Marina Lopes ilustração relógio 11 de janeiro de 2022

De um lado da tela, estudantes brasileiros apresentam cartazes sobre o uso da água no país. Do outro, estudantes indianos também compartilham informações locais, citando alguns desafios que enfrentam para captar água da chuva e quais são os rios mais importantes para o abastecimento nacional. Juntos, debatem sobre tópicos como poluição, desperdício e consumo consciente. Toda a interação acontece em inglês e faz parte do projeto Global Connections for Sustainability, que promove o intercâmbio virtual de mais de mais de 500 escolas da rede global da Maple Bear, espalhadas por mais 30 países.

A partir de discussões sobre desafios da sociedade global, o projeto tem a proposta de fortalecer a conexão entre estudantes de todo o mundo para promover a aprendizagem sob diferentes óticas culturais, sociais e econômicas. Atualmente, já participam escolas do Brasil, México, Vietnã e Índia.

Por meio da plataforma Global Connections, educadores e escolas podem estudar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas) e trabalhar em conjunto para desenvolver soluções capazes de contribuir para debates importantes, como a erradicação da pobreza, educação de qualidade, energia limpa, trabalho, crescimento econômico e agricultura sustentável.

“Temos planos de aula que podem ser usados com crianças de várias partes do mundo e podemos discutir entre elas soluções para essas questões”, explica Natália Fontana Fernandes, mantenedora e gestora pedagógica da Maple Bear Mooca, em São Paulo (SP). De acordo com ela, a ideia é usar perspectivas diferentes, de crianças de países diferentes, para tratar de assuntos globais.

Na escola paulistana, estudantes do 4º ano do ensino fundamental já começaram a discutir o uso da água com outras crianças da Maple Bear Chandrabala Modi Academy, na Índia. “A primeira atividade que a gente fez foi apresentar cartazes para mostrar como a gente usava a água aqui [no Brasil]. Então foi bem legal também saber da cultura deles e de como eles usavam a água no dia a dia”, conta Vitória Skuter, aluna do quarto ano na Maple Bear Mooca.

Para Vitória, a experiência de interagir com crianças de outros países foi interessante e trouxe muitos aprendizados. “No começo, a gente teve um pouco de dificuldade por conta do sotaque deles, que é um pouco diferente. Mas no fim deu tudo certo”, afirma a estudante, que já está pensando em soluções para promover o uso consciente de água e reduzir a quantidade de lixo que é jogada nos mares e rios. “A gente tem que tomar conta da água, cuidar mais da natureza e preservar.”


Leia também:

Professor promove intercâmbio de escolas e leva inovação para zona rural

Professora diversifica aulas remotas de biologia para discutir clima

Livro grátis traz propostas para trabalhar objetivos de desenvolvimento sustentável

Projeto de biblioteca sustentável trabalha colaboração entre alunos e escolas


Experiências como as que foram vivenciadas por Vitória são possíveis não apenas por intermédio da tecnologia, mas principalmente pela mediação dos educadores, que orientam e organizam os debates a partir de dinâmicas e conteúdos criados pela equipe acadêmica. Tudo pensado para que eles possam pesquisar, debater com crianças de outros países e construir propostas concretas para os problemas investigados.

Durante esse processo, a mantenedora e gestora pedagógica da Maple Bear Mooca garante que a troca global de experiências e a aprendizagem acontece de forma natural. “São crianças iguais, mas que estão do lado do planeta. Elas têm outras vivências, usam outras roupas e estão em outro fuso horário, mas falam sobre a mesma coisa. Enquanto os alunos experimentam o fazer científico, as descobertas e contrastes acontecem com naturalidade”, conclui.


TAGS

educação bilíngue, ensino fundamental, sustentabilidade, tecnologia

1
Deixe um comentário

avatar
500
1 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
1 Autores
Claudia Ponte de Albuquerque Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Claudia Ponte de Albuquerque
Visitante
Claudia Ponte de Albuquerque

Gostaria de apresentar a plataforma uma ferramenta gamificada para insercao de conteudos e propor parcerias. Com quem deveria me contatar

X