Projeto Transforma alia esporte e educação para formação cidadã - PORVIR
Crédito: matimix/iStockPhoto

Inovações em Educação

Projeto Transforma alia esporte e educação para formação cidadã

Com atividades para alunos e cursos de formação para professores, programa do Comitê Olímpico do Brasil leva os valores dos Jogos Olímpicos para além das aulas de educação física

por Bruna Carolina Carvalho ilustração relógio 26 de novembro de 2019

O COB (Comitê Olímpico do Brasil) celebrou, na segunda-feira (25), um ano de lançamento do Programa Transforma, projeto que tem como objetivo trabalhar temas e valores olímpicos com professores da educação básica e com alunos de escolas municipais parceiras. “Uma das missões do projeto é levar para o interior do ambiente escolar os valores da amizade, da excelência e do respeito, em consonância com as premissas da BNCC (Base Nacional Comum Curricular)”, explicou Paulo Wanderley Teixeira, presidente do COB, durante a abertura do evento “Valores que transformam: a importância das habilidades socioemocionais na educação”, que ocorreu no auditório do Museu do Amanhã, na Praça Mauá, Rio de Janeiro.

A plateia, composta por cerca de 350 profissionais da educação, entre representantes consulares e autoridades municipais, foi convidada a conhecer os pilares do projeto e as ações implementadas principalmente nas Escolas Municipais Olímpicas Cariocas Emma D’Avila de Camillis, localizada em Pedra de Guaratiba, e Eduardo Bittencourt, em Benfica, ambas do primeiro segmento do ensino fundamental.

“Nós sentimos que, com o projeto, as crianças ficam bem mais ativas, porque elas tinham somente dois tempos de educação física e passam a ter oito: dois de educação física escolar e outros seis de habilidades e movimentos”, explicou ao Porvir Marcio Carvalho Viegas, diretor da EMOC Edmundo Bittencourt. Dentre essas habilidades estão as aulas de luta, dança e ginástica – todas elas práticas contempladas pelo plano pedagógico da BNCC, documento do MEC (Ministério da Educação) que define o conjunto de conhecimentos e habilidades que cada estudante deve aprender ao longo da vida escolar.

Leia mais: 
– Como aproximar as Competências Gerais da BNCC de currículos e práticas pedagógicas

Crianças posam com o mascote Ginga, onça-pintada que representa o esporte olímpico do BrasilDivulgação/COB

Dentre as ações promovidas com os alunos destas escolas pelo projeto, incluem-se visitas mensais à sede do COB; o Festival Transforma, com uma série de conversas e atividades com professores e atletas; apresentações de teatro sobre a história dos Jogos Olímpicos; além de experimentações educativas e esportivas. Foram firmadas também parcerias com escolas públicas em Taubaté (SP), Cascavel (SC), escolas da rede privada, além da promoção do Transforma durante os Jogos Escolares da Juventude, competição do COB que ocorre anualmente em diferentes cidades do país.

Outra iniciativa do programa é a formação de profissionais da área de educação física com o CIEVO (Curso de Iniciação Esportiva e Valores Olímpicos, clique para inscrição online), realizado gratuitamente e à distância. A ideia é que professores que atuam especialmente nos anos iniciais do Ensino Fundamental possam, ainda que não contem com um aparato de estrutura, trabalhar recreativamente as modalidades do atletismo, da ginástica artística, da natação e do judô.

Mas diferente do que pode-se imaginar, o Transforma não se concentra somente na disciplina de educação física: sua intenção é a de que as modalidades olímpicas e as habilidades promovidas pelo esporte adentrem as outras matérias da grade curricular. Por isso, um dos braços do programa é atuar na formação continuada de professores da Educação Básica com o curso VOV (Valores Olímpicos para a Vida, informações pelo e-mail transforma@cob.org.br), também gratuito e à distância. Nele, o professor recebe instruções, sugestões e materiais visuais que possibilitem a inserção do esporte em seus projetos pedagógicos. Uma aula de matemática sobre função quadrática, por exemplo, pode explorar a parábola do arremesso do basquete; uma aula de geografia pode abordar a globalização a partir da abertura dos Jogos Olímpicos, e assim por diante.

“Sabemos que o que falta para o professor bolar uma aula diferente é tempo, então o VOV é um facilitador. Entrega materiais, propostas de dinâmicas que o professor pode adaptar para sua turma. Aquele trabalho dobrado de pensar uma aula diferente, já não é mais dobrado”, relatou a professora de Português Carolina Mendonça, criadora do canal de YouTube “Português para desesperados” e uma das embaixadoras do Transforma.

Como um dos objetivos da BNCC é tornar a escola um ambiente para debate e  formação cidadã, o COB busca com o Transforma, ampliar a incorporação da empatia, do senso de solidariedade e responsabilidade, da resiliência, da cooperação e da comunicação interpessoal por meio do esporte. Professor de química e de jiu-jitsu e um dos embaixadores do Transforma, Silvio Predis destacou como a ausência da prática esportiva pode ser prejudicial ao aluno em seu desenvolvimento, não apenas físico. “Tenho alunos que são ótimos em teoria, chegam a gabaritar suas provas, mas têm dificuldade de se apresentar na frente da turma, de formar um grupo para um trabalho. O esporte pode ser excelente em trabalhar essas habilidades.”

Ao Porvir, a gerente de Cultura e Valores do COB, Carolina Araújo, explicou que, para o ano que vem, a perspectiva é ampliar o projeto, que, até o momento, atingiu diretamente cerca de 720 professores e 4 mil alunos. “O Transforma é um programa vivo. Para 2020, vamos avançar para duas novas escolas e expandir para outras cidades que ainda não foram definidas. Além disso, já iniciamos atividades com as escolas brasileiras no Japão, em razão dos jogos em Tóquio.”


TAGS

base nacional comum curricular, competências para o século 21, educação integral, ensino fundamental, socioemocionais

Deixe um comentário

avatar
500
  Acompanhar a discussão  
Tipo de notificação