Tecnologia e soft skills cada vez mais presentes no futuro do trabalho - PORVIR
March Meena / iStock

Inovações em Educação

Tecnologia e soft skills cada vez mais presentes no futuro do trabalho

Com as rápidas transformações no mundo do trabalho impulsionadas pela presença da tecnologia, as escolas devem focar no desenvolvimento de habilidades menos repetitivas e com foco em alta performance cognitiva

por Ruam Oliveira ilustração relógio 11 de abril de 2022

O mundo muda e, junto com essas transformações, diferentes setores da sociedade são convidados a mudar também. Pense, por exemplo, na maneira como seus pais ou avós iam à escola, como educadores e educadoras lidavam com o giz e a lousa. Tablets e jogos virtuais? Sequer existiam. 

Conforme a sociedade avança, é natural que ajustes sejam feitos e práticas sejam incorporadas na rotina escolar. Ainda lembrando de seus familiares, consegue pensar na maneira como eles se preparavam para o mercado de trabalho? Era completamente outra, certo? E tudo isso continua em transformação. 

➡️  O Porvir precisa da sua doação para uma exposição que celebra feitos de professores. Participe!

Durante o evento “Jornada para uma nova educação: Hybrid Learning Summit“, promovido pela Microsoft Education, além do debate sobre  avanços no campo do ensino híbrido, também houve espaço para se pensar na maneira como as escolas podem preparar os estudantes para o futuro profissional.

De acordo com Nicola Doherty, líder de Educação do LinkedIn na América Latina, a partir de dados coletados pela empresa, nota-se que a pandemia mostrou uma crescente lacuna de habilidades. A pesquisa apontou que houve uma mudança nos empregos devido à transformação digital, com um aumento em posições que demandam tarefas não repetitivas, mas de alta habilidade cognitiva. 

“Efetivamente, a pandemia evidenciou de forma dura a já existente lacuna de habilidades cada vez maior em todo o mundo. Isso precisará ser resolvido com uma urgência ainda maior para acelerar a recuperação econômica”, diz.


Leia também

Como a escola lida com o trauma e constrói perspectivas de futuro com os jovens

Protagonismo juvenil: por mais espaços de escuta, investimento e incentivo à participação


Entre as características que impulsionam essa transformação, está, em primeiro lugar, o surgimento de tecnologias que utilizam inteligência artificial que, por sua vez, impactam diretamente na automação de muitos processos. Ou seja, o mundo do trabalho para o qual os estudantes dessa geração estão se encaminhando traz consigo um ambiente com ainda mais  tecnologia.

A segunda característica apontada por Nicola tem a ver com isso. Trata-se da crescente necessidade de que as pessoas tenham competências digitais, principalmente em um cenário comercial que muda muito rápido. 

Por último, outro aspecto definidor do cenário atual – que se estenderá pelos próximos anos – é a queda nos investimentos em treinamentos baseados no empregador. “Navegar por esses desafios para fechar essas lacunas de habilidades vai exigir uma parceria renovada entre as partes interessadas nos setores público, privado e sem fins lucrativos”, pontuou Nicola.

Mudanças no setor educacional

Impulsionada pelas transformações na economia digital, a educação precisa estar atenta à  maneira como aborda o uso da tecnologia para além da sala de aula, nesta preparação do aluno para a vida pós educação básica. 

A BNCC (Base Nacional Comum Curricular) traz em suas competências gerais elementos que seguem nesta direção, como a Cultura Digital, que olha como os estudantes compreendem e utilizam de maneira significativa as tecnologias digitais e as competências voltadas para Trabalho e Projeto de Vida, focadas na experiência e conhecimentos que ajudem a entender o mundo do trabalho. 

Conforme empresas e instituições passam a usar com cada vez mais frequência inteligência artificial e automação, por exemplo, isso acaba tendo impactos na forma como o trabalho é organizado. Mudam os tipos de habilidades necessárias para entrar no mercado e as habilidades internas, necessárias para  continuar nele. 

“O que ouço com muita frequência de nossos clientes em educação é que o preço de manter o currículo atualizado em um mercado de trabalho em constante evolução é desafiador”, diz Nicola. 

Empregos com maior demanda no Brasil
1. Recrutador de TI
2. Engenheiro de confiabilidade de sites
3. Engenheiro de dados
4. Especialista em cibersegurança
5. Representante de desenvolvimento de negócios
6. Gestor de tráfego de internet
7. Engenheiro de aprendizado de máquina
8. Pesquisador de experiência do usuário
9. Cientista de dados
10. Analista de desenvolvimento de sistemas
Fonte Linkedin – Janeiro 2022

Nesse sentido, é muito necessário que a escola esteja apta para preparar esses estudantes para o que vão enfrentar profissionalmente.  

O LinkedIn, que é uma plataforma voltada para o mercado de trabalho, divulgou uma lista com as dez funções mais procuradas no momento no Brasil. Oito delas são voltadas para tecnologia da informação, com os recrutadores de TI figurando na primeira posição.

Outra pesquisa recente da empresa destacou que 61% dos respondentes que já estão no mercado de trabalho sentem que seus estudos não os prepararam totalmente para o exercício profissional.

Habilidades transferíveis e soft skills

Nem só de habilidades práticas sobreviverá o trabalhador do século 21. Apesar da presença massiva de habilidades orientadas para a tecnologia, as chamadas “soft skills” são e continuarão sendo muito necessárias. 

A BNCC também está de olho nisso. Comunicação, capacidade analítica e criatividade, por exemplo, farão parte do universo de trabalho – e da própria vida em si. 

O Fórum Econômico Mundial em parceria com o LinkedIn mapeou as habilidades com maior demanda para 2025. Entre elas estão: pensamento analítico e inovação, capacidade para resolver problemas complexos, liderança e influência social. 

Nicola ressalta que dificilmente essas habilidades serão automatizadas ou substituídas por inteligência artificial. “A fim de preparar nossos alunos para o futuro, essas são as habilidades que todo aluno deve desenvolver em preparação para a formatura. E minha recomendação é de que também sejam incorporadas ao currículo nos próximos dois anos”, disse. 

A líder de educação destaca que as instituições de ensino estão “na vanguarda” da transformação social e podem se adaptar por meio de uma postura orientada ao uso de dados e das tecnologias digitais.

Hybrid Learning Summit

O evento promovido pela Microsoft Education focou nas aprendizagens dos últimos anos na hora de usar o ensino híbrido. Com painéis focados para líderes e gestores e outro para quem atua diretamente na sala de aula, os conteúdos estão liberados para assistir aqui


TAGS

competências para o século 21, ensino fundamental, ensino médio, tecnologia

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
O QUE VOCÊ MELHORARIA NO PORVIR? Ajude a tornar nosso trabalho ainda mais relevante para você QUERO RESPONDER
0
É a sua vez de comentar!x
()
x
X