10 passos para inovar no ensino e no aprendizado - PORVIR
crédito everythingpossible / Fotolia.com

Inovações em Educação

10 passos para inovar no ensino e no aprendizado

Educador dá dicas usadas pelo Ministério da Educação da Dinamarca para inspirar professores

por Vinícius Bopprê ilustração relógio 6 de junho de 2013

Em seu clássico On the Road, Jack Kerouac dizia gostar das pessoas que queimam como fogos de artifício. Hoje, o que não falta são jovens com a cabeça em ebulição de tantas ideias. E nem sempre são ideias simples. Muitos destes “pequenos” idealistas querem desenvolver projetos que, além de ser a base para a carreira que pretendem seguir, podem mudar o mundo. Para ajudar esses jovens a inovar, o educador e empreendedor dinamarquês Nikolai Seest já realizou mentorias em mais de 300 projetos de negócios criativos em seu país e também no exterior, como foi o caso Yes!, na Groelândia, que reúne um grupo de jovens empreendedores para, em 2 anos de formação, resolver problemas culturais, econômicas e ambientais do meio em que vivem.

Por conta dessa experiência com inovação e empreendedorismo, Seest foi convidado pelo Ministério da Educação da Dinamarca a criar uma iniciativa que auxiliasse professores que também desejassem inovar em sala de aula o que resultou no Pioneer. A metodologia do projeto é simples e direta: mãos na massa. Por isso, desde 2007 foram criados diversos worskhops, encontros, campanhas e revistas que trazem um compilado de informações sobre o tema. Em passagem recente pelo Brasil, Seest diz que ficou encantando com as escolas democráticas, mas completa, com bom humor: “Gostaria de ter visitado escolas tradicionais. Só conheci escolas democráticas e fiquei com a impressão que a educação no Brasil é inovadora, gostaria de ter uma visão mais ampla”.

Apesar de ter passado pouco tempo, o educador afirma que ficou impressionado com o número de pessoas engajadas e que querem uma nova educação, com mais impacto. “Sei que pode demorar muito tempo para que aconteçam mudanças. Mas é fato que muitos já entendem o que está ai como obsoleto e já estão buscando novidades. Isso é uma tendência global e a transformação é inevitável”, diz.

Ah! Antes de ir embora, Seest deixou umas das revistas da Pioneer e autorizou o Porvir a traduzir um cartaz (escrito em parceria com Dorrit Sorensen) que os professores dinamarqueses colavam em suas salas de aula. Confira.

10 passos para ter mais inovação no ensino e no aprendizado

1 – Dos horários fixos para as atividades dinâmicas
Organizar o ensino de maneira mais dinâmica e aproveitar as oportunidades que surgem durante o processo. Fortalecer a improvisação.

2 – Dos conhecimentos adquiridos dentro da sala de aula para aqueles obtidos fora da escola
O aprendizado ocorre em todos os lugares – na sala de aula e no mundo que nos rodeia. Hoje, as crianças e os jovens obtêm informações de muitas fontes, e a realidade exterior desempenha um papel cada vez maior no ensino e na aprendizagem.

3 – Do conhecimento teórico ao conhecimento aplicado na prática
Os alunos usam o conhecimento teórico como base para a concepção e desenvolvimento de soluções práticas para problemas concretos, realistas.

4 – De respostas certas às perguntas abertas
Os alunos não devem apenas ser incentivados a dar as respostas certas, mas também a agir como antropólogos, curiosos e repórteres que trazem novos conhecimentos valiosos que podem ser usados ​​para a criação de novas perguntas.

5 – De problemas fictícios para os desafios reais
Motivar os alunos a explorarem a realidade ao redor, em vez de ficar inventando problemas para serem resolvidos.

6 – Da aprendizagem passiva para uma participação ativa
Transformar os alunos em agentes ativos, criadores. Eles devem se envolver na geração de novos conhecimentos e novas soluções.

7 – De aprender com a cabeça para aprender com o corpo inteiro
O ensino deve mesmo inspirar os alunos a tocar, cheirar e mergulhar num assunto em vez de apenas ler um livro ou olhar para uma tela.

8 – De trabalhos individuais para a solução de problemas em conjunto
Em vez de priorizar o trabalho individual do aluno, colocar um problema no centro de todos eles, para que o conhecimento individual contribua para a resolução em conjunto.

9 – Do professor como especialista onisciente para o professor como facilitador
O professor deve ajudar a trazer novos conhecimentos em vez de ficar narrando velhos conhecimentos. Ele é responsável por seu método e deve usar técnicas e ferramentas diferentes para ensinar.

10 – Da sala de aula formal a oficina experimental
A sala de aula deve ser um laboratório para a experimentação, em vez de um ambiente rígido e formal. Elas precisam ser espaços onde os erros são permitidos.


TAGS

empreendedorismo, negócios de impacto social, tecnologia

9
Deixe um comentário

avatar
500
8 Comentários ao conteúdo
1 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
9 Autores
Rosemeire POLLIOberdan QuintinoWilson MatosJosiane Aparrecida Alves RezenRoberto Ferraz Souza Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Jacque
Visitante
Jacque

A improvisação no ensino é a primeira etapa para o fracasso e o insucesso, a não sistematização e a falta de controle na análise dos conhecimentos, resultará em gerações de pessoas sem fundamentação para lutar pelos seus direitos.

Clara
Visitante
Clara

O improviso pode ser a saída para a aprendizagem em muitos momentos. O professor pode aproveitar o inesperado e torná-lo uma fonte de conhecimento que o aluno pode nunca mais se esquecer na vida. Mas deve ter sensibilidade para fazê-lo. Na vida as situações exigem muitos improvisos, a escola não está livre da vida.

Roberto Ferraz Souza
Visitante
Roberto Ferraz Souza

Ser ou não Ser? Eis a questão? A vida mesmo que planeja nos oferece caminhos nunca antes navegáveis e por incrível que pareça nos possibilita de tomarmos atitudes muitas vezes certas e as vezes erradas, mas que constroem um aprendizado significativo. Improvisar o tempo todo é loucura, porém quanto se abre um caminho no planejamento para se chegar ao provável ou improvável se marca o SER HUMANO de tal forma que ele leva aquela experiência… Ler mais »

Josiane Aparrecida Alves Rezende
Visitante
Josiane Aparrecida Alves Rezende

Parabéns pela matéria. Li e gostei. Para nós educadores é sempre bom ler estas matérias importantes sobre a educação para acrescentar mais conhecimentos sobre a nossa prática.

Roberto Ferraz Souza
Visitante
Roberto Ferraz Souza

Ser ou não Ser? Eis a questão? A vida mesmo que planeja nos oferece caminhos nunca antes navegáveis e por incrível que pareça nos possibilita de tomarmos atitudes muitas vezes certas e as vezes erradas, mas que constroem um aprendizado significativo. Improvisar o tempo todo é loucura, porém quanto se abre um caminho no planejamento para se chegar ao provável ou improvável se marca o SER HUMANO de tal forma que ele leva aquela experiência… Ler mais »

Josiane Aparrecida Alves Rezen
Visitante
Josiane Aparrecida Alves Rezen

Parabéns pela matéria. Li e gostei. Para nós educadores é sempre bom ler estas matérias importantes sobre a educação para acrescentar mais conhecimentos sobre a nossa prática.

Wilson Matos
Visitante
Wilson Matos

As dez dicas realmente fazem a diferença para todos nós educadores e pesquisadores, contribuindo assim, nesta esteira do conhecimento e da objetividade crescente do docente crítico e reflexivo.Por fim, o aluno é o sujeito, agente deste grande processo de transformação de aprender e reconstruir seu próprio ambiente cultural e social, perante também ao lado do seu amigo professor.
.

Oberdan Quintino
Visitante
Oberdan Quintino

Os dez passos para a inovação do ensino e da aprendizagem se revelam inspiradores para o crescimento tanto dos alunos quanto dos professores no âmbito cultural e social

Rosemeire POLLI
Visitante
Rosemeire POLLI

Compreender que o conhecimento flui de todos os lados e para todos os lados, compreender que o conhecimento não é exclusivo de um indivíduo ou grupo de indivíduos e começar a respeitar as “trocas de experiências” como um fator importante na construção de novos caminhos traz uma perspectiva de criatividade e inovação nunca vista antes