6 perguntas para apoiar os alunos a lidar com o estresse diário - PORVIR
Ana Luísa D'Maschio

Inovações em Educação

6 perguntas para apoiar os alunos a lidar com o estresse diário

O estresse pode ter uma força esmagadora no comportamento dos adolescentes. Algumas perguntas simples podem ajudá-los a encontrar alívio e focar no aprendizado

por Paige Tutt ilustração relógio 5 de agosto de 2022

O estresse é uma realidade do dia a dia dos alunos do ensino fundamental e médio. À medida que aprendem a lidar com o aumento das demandas de tempo – horários intensos de aula, atividades no contraturno e jornada laboral para quem começa a trabalhar como aprendiz – eles estão experimentando, simultaneamente, um crescimento físico e cognitivo explosivo. É uma fase complexa de desenvolvimento, durante a qual experiências rotineiras, como cumprir prazos de entrega ou ser chamado inesperadamente em sala de aula, podem parecer algo suave, como uma brisa refrescante – ou intenso, como uma inundação repentina.

Nos adolescentes, o cérebro ainda está amadurecendo e a comunicação entre as áreas do cérebro que geram e gerenciam impulsos e emoções ainda não está totalmente desenvolvida, explica Pamela Noble, psicóloga e pesquisadora associada do Instituto Nacional de Saúde Mental, nos Estados Unidos. Isso significa que o cérebro adolescente é “extra-sensível às coisas que acontecem em [seu] ambiente, tanto boas quanto ruins”, diz Pamela. Aprender a lidar com o estresse é uma habilidade crítica – especialmente na adolescência – e os adolescentes são especialmente preparados para “começar a desenvolver comportamentos saudáveis ​​para que se tornem um hábito para a vida”.

Os educadores podem ajudar os alunos a aprender a lidar com o estresse diário incentivando a flexibilidade cognitiva, um componente crítico das funções executivas, diz a conselheira e terapeuta para ensino fundamental, Phyllis Fagell.

“Existem habilidades que você pode aprender que são transferíveis”, afirma Phyllis. “A flexibilidade cognitiva – a capacidade de desafiar seus pensamentos ou pensar em outras possibilidades, independentemente do que está acontecendo em sua vida – oferece à criança a sensação de estar no comando, o que fará com que ela se sinta menos desamparada. Isso vai ajudá-las a lidar com qualquer estresse, não importa o que seja.”

Aqui estão seis perguntas metacognitivas, inspiradas por uma postagem no Instagram de Nawal Mustafa, doutoranda em neuropsicologia clínica na Universidade de Windsor, no Canadá, para ajudar seus alunos a lidar com os estressores cotidianos. Os estudantes não precisam responder todas as seis questões, e podem selecionar as que são mais úteis ou mais adequadas ao problema que estão enfrentando, de forma independente.

Relacionadas

Neurociência mostra como empatia muda relações na sala de aula e na sociedade

ACESSAR

Aprendizagem autorregulada é chave para superar as dificuldades atuais da educação

ACESSAR

16 hábitos para aprender e desenvolver ao longo da vida escolar

ACESSAR

1. Espere — qual é a fonte desse sentimento?

Quando se sentem sobrecarregados, os alunos podem ter dificuldade em identificar a fonte de seu estresse. Esta pergunta os concentra em um primeiro passo fundamental: O que está me causando ansiedade?

“Se você não sabe por que está estressado, não pode direcionar a solução certa”, comenta Phyllis, que gosta de compartilhar uma roda de sentimentos para ajudar os alunos a identificar o que está por trás de como estão se sentindo. “O primeiro passo é ajudá-los a se concentrar no motivo pelo qual estão se sentindo de determinado jeito e talvez até apoiá-los a encontrar uma palavra para o sentimento em si. Tem alguma coisa acontecendo em casa? Eles estão se sentindo inseguros sobre si mesmos academicamente? Eles têm medo de se arriscar socialmente?”

Embora na escola primária as crianças possam fazer atividades para identificar emoções e de onde elas vêm, essa pode ser uma habilidade com a qual os alunos mais velhos ainda precisam de ajuda. Depois de identificar a fonte de seu estresse, eles podem começar a pensar em soluções, explica Phyllis.

2. Como esse estresse está me afetando?

Incentive os alunos a fazer uma pausa e refletir para que possam avaliar o impacto do estresse que estão sentindo. Isso pode fornecer uma visão panorâmica de seu comportamento e ajudá-los a descobrir possíveis próximos passos.

Um aluno estressado que se sente despreparado para um teste de matemática pode perceber, após reflexão, que está procrastinando os estudos – até mesmo evitando – porque se sente inseguro sobre o novo material da unidade. Essa percepção pode levá-los a procurar ajuda, revisar anotações ou encontrar outra maneira de melhorar sua compreensão do material.

Práticas rápidas de atenção focada e pausas cerebrais podem ajudar os estudantes a desacelerar antes de agir – em vez de reagir impulsivamente ou exagerar – diz Lori Desautels, professora assistente da Faculdade de Educação da Universidade de Butler, em Indianápolis (EUA). Atividades como essas ajudam a “acalmar a resposta ao estresse do cérebro e estimular a atenção sustentada e a regulação emocional”, explica Lori. “Um cérebro regulado e calmo é um cérebro que está pronto para aprender profundamente.”

3. Preciso pedir ajuda? Com quem posso falar sobre isso?

A orientação de um adulto de confiança geralmente é útil nesse estágio, mas o constrangimento ou a vergonha podem impedir que os alunos busquem apoio, especialmente se forem tímidos ou introvertidos. “Eles temem que pedir ajuda sinalize fraqueza ou fracasso em seu caráter, embora os adultos possam dizer a eles que é um sinal de maturidade e força”, escreve a educadora Jennifer Sullivan.

Ela sugere fornecer aos alunos mais extrovertidos que tornem a abordagem de um cuidador, conselheiro escolar, treinador, professor ou amigo para obter ajuda menos assustadora:

  • Estou lutando com _____. Podemos falar sobre isso depois?
  • Não tenho certeza do que preciso. Você pode por favor falar comigo?
  • Você pode me dar conselhos sobre _____?

4. Que conselho eu daria a um amigo com esse problema?

Uma mudança de perspectiva permite que os alunos deem um passo atrás, avaliem uma situação do ponto de vista de uma pessoa de fora e identifiquem soluções que talvez não tenham visto antes. O neurocientista e professor de psicologia Ethan Kross se refere à técnica como diálogo interno distanciado.

“Sabemos que é muito mais fácil para as pessoas dar conselhos aos outros do que seguir esse conselho”, explica  Ethan Kross, conforme relatado por Liz Greene para o site Nautilus. “O que aprendemos é que a linguagem nos fornece uma ferramenta para nos orientarmos em nossos problemas como se estivéssemos conversando com outra pessoa.”

Pedir aos alunos que avaliem um problema da perspectiva de outra pessoa os leva a criar uma certa distância psicológica, o que os ajuda a gerar soluções mais construtivas sobre como lidar com o estresse. Uma vez que as soluções são dadas, eles são mais propensos a seguir o conselho.

5. O que posso controlar e o que não posso controlar?

Os alunos podem simplesmente passar alguns momentos considerando essas questões ou ir mais fundo. Phyllis Fagell faz com que seus alunos do ensino médio desenhem um Diagrama de Venn – o círculo esquerdo está marcado como “coisas que posso controlar”, o círculo direito está marcado como “coisas que não posso controlar” e a sobreposição está marcada como “coisas que importam”. À medida que os alunos o preenchem, eles distinguem se as variáveis ​​sob seu controle e fora de seu controle se alinham com o objetivo de aliviar o estresse.

Um estudante que identifica um próximo teste de ciências como fonte de estresse, por exemplo, consegue constatar isso como uma variável que não pode controlar porque o teste é obrigatório. O aluno, pode, no entanto, controlar quanto tempo passa estudando, ou se pede ajuda ao professor para repassar assuntos que não entende. O que mais importa para o aluno pode ser uma boa nota, que fica no centro do Diagrama de Venn.

6. Qual pequeno passo que posso dar para me sentir melhor?

Os alunos podem se esforçar para definir metas razoáveis ​​e atingíveis e muitas vezes têm expectativas irreais sobre a rapidez com que podem atingi-las. Pode ajudar a identificar primeiro o ponto final e, em seguida, detalhar as etapas para chegar lá.

Quando ela trabalha com alunos estressados, Phyllis estrutura o processo usando uma metáfora de escada: cada degrau é diferente para chegar ao objetivo final. Os estudantes devem determinar o que é cada passo, então se perguntar como ir de um degrau para o próximo.

“Depois de dividirmos esse processo em degraus na escada, adiciono outro degrau entre cada um existente”, explica ela. “Vamos aprofundar ainda mais esse processo para que eles não fiquem desapontados e possam realmente ver que leva tempo para dar o próximo passo.”

*Publicado originalmente em Edutopia e traduzido mediante autorização
© Edutopia.org; George Lucas Educational Foundation


TAGS

ensino fundamental, ensino médio, socioemocionais

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
0
É a sua vez de comentar!x
()
x
X