Conheça os 6 projetos inovadores em educação premiados pelo WISE Awards - PORVIR
Crédito: Barefoot College/Facebook

Inovações em Educação

Conheça os 6 projetos inovadores em educação premiados pelo WISE Awards

Conheça iniciativas em diferentes cantos do mundo que apoiam crianças, jovens, professores e promovem a equidade

por Beatriz Cavallin ilustração relógio 23 de outubro de 2020

A edição de 2020 do WISE Awards, inciativa da Qatar Foundation, anunciou os seis projetos vencedores que ajudam a resolver desafios educacionais pelo mundo. Além de reconhecimento, cada um receberá a quantia de USD 20.000.

Os vencedores serão prestigiados em um evento online no dia 28 de outubro de 2020. Com o tema “Construindo o Futuro da Educação”, a discussão busca refletir sobre inovação em educação de forma proativa e não reativa.

Conheça os projetos vencedores 

Barefoot
Sede:
Índia
Atuação: Países em desenvolvimento

Crédito: Barefoot/Facebook

A proposta do projeto é tornar a educação sustentável e acessível para todos, independente da localização geográfica, idioma ou nível de alfabetização. O projeto é direcionado a melhorar as condições de aprendizagem em áreas rurais e remotas do mundo, onde a infraestrutura e modelos tradicionais de educação não são viáveis e acabam sendo deixados de lado.

O Barefoot usa um currículo próprio chamado ENRICHE para ensinar alfabetização digital. educação financeira, direitos civis e humanos, saúde e microempreendedorismo, com elementos vocacionais e educacionais que podem ser adicionados de acordo com as necessidades de cada comunidade.

Education for sharing (E4S)
Sede: 
México
Atuação: Nova Zelândia, Argentina, México, Panamá, Guatemala, Estados Unidos, República Dominicana e Bolívia

Crianças do projeto Education for SharingCréditos: Facebook/E4S

O projeto funciona em diversos locais e tem como objetivo atacar problemas pontuais, como sistemas educacionais que não respondem a problemas sociais atuais (violência, discriminação, apatia e corrupção); educadores que carecem de ferramentas de ensino; e contextos escolares que não consideram uma abordagem baseada na sustentabilidade.

O E4S acredita no diálogo contínuo entre estudante e professor ao usar uma estrutura brincar-refletir-agir, que incentiva os educadores a ensinar de forma dinâmica e a promover a participação das crianças. A ideia é conectar os desafios atuais com o currículo das escolas usando os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) como referência.

Justice Defenders
Sede:
Inglaterra
Atuação:
Quênia e Uganda

Integrantes do projeto Justice DefendersCrédito: Justice Defenders

O programa usa a educação jurídica para capacitar os presidiários do Quênia e Uganda a defenderem seus próprios direitos e buscar soluções para seus casos. Os participantes passam por um treinamento paralegal, adquirindo conhecimentos sobre sistema judicial e desenvolvendo habilidades em gerenciamento de casos e pesquisa jurídica.

Os graduados do programa atuam como paralegais nas clínicas de assistência jurídica nas prisões, onde prestam serviços jurídicos gratuitos a outros presos. Além de conduzir sessões de conscientização jurídica, educando seus pares sobre direitos humanos e opções de recursos legais.

Parenting the Future (PTF)
Sede:
China
Atuação:
China

Criança chinesa segurando bolaCrédito: Reprodução/Parenting the Future

Das 45 milhões de crianças menores de 3 anos na China, 40% vive em áreas rurais. Implementar estratégias de intervenção na primeira infância ainda é um desafio para os governos locais, que carecem de profissionais qualificados em creches, capacidade de gestão e conhecimentos para fornecer serviços com eficiência.

O programa atua justamente nessa área ao orientar os cuidadores no desenvolvimento de habilidades e comportamentos que fomentam o desenvolvimento das crianças e fortalecem as famílias, melhorando as lacunas de desenvolvimento, notas de leitura e matemática e abandono escolar.

Stawisha Instructional Leadership Institute
Sede:
Quênia
Atuação:
Quênia e Sudão do Sul

Três crianças leem livros em uma sala de aulaCrédito: Stawisha Instructional Leadership Institute/Facebook

Em Nairóbi, capital do Quênia, 60% da população vive em assentamentos informais marginalizados, onde 80% das crianças não têm acesso à escola pública. Grande parte dos estudantes matriculam-se em escolas comunitárias informais que normalmente têm poucos recursos, falta de liderança profissional e professores bem formados que permitem a oferta de educação de qualidade.

Pensando em um mundo onde as escolas sejam lugares vibrantes, o Stawisha Leadership Institute oferece formações para capacitar escolas e educadores em comunidades marginalizadas, com foco na liderança instrucional, cultura de sala de aula e envolvimento do aluno.

Think Equal
Sede:
Inglaterra
Atuação: Global – 14 países: Argentina, Austrália, Botswana, Canadá, Índia, Quênia, México, Macedônia, Singapura, África do Sul, Sri Lanka, Trinidad e Tobago, Reino Unido e Estados Unidos

Crianças em uma brinquedotecaCrédito: Think Equal

“Como ainda é opcional para um criança aprender a valorizar outro ser humano e a ter relacionamentos saudáveis?” Essa é a pergunta central da Think Equal, uma iniciativa de educação global que clama por mudanças no sistema educacional.

O currículo do projeto é voltado para crianças entre 3 e 6 anos, e oferece lições em empatia, alfabetização emocional, resiliência, autorregulação, pensamento crítico, igualdade de gênero, resolução pacífica de conflitos, autoestima, entre outros.


TAGS

competências para o século 21, equidade, formação continuada, sustentabilidade, uso do território

2
Deixe um comentário

avatar
500
2 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
2 Autores
Sonia Maria Nunes da SilvaCris Batista Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Cris Batista
Visitante
Cris Batista

Excelente texto, meu amigo. Seu site é fantástico. Muito obrigada por postar. Sou leitor assíduo dos seus textos.

Sonia Maria Nunes da Silva
Visitante
Sonia Maria Nunes da Silva

Excelente matéria, que nos remete a refletir sobre aos mais variados problemas educacionais em diferentes países.