Encontro com o Porvir: professores homenageados na exposição falam sobre expectativas - PORVIR
Ronaldo Abreu / Porvir

Inovações em Educação

Encontro com o Porvir: professores homenageados na exposição falam sobre expectativas

Mostra interativa sobre práticas inovadores, que celebra os 10 anos do Porvir, será inaugurada no próximo dia 8 de novembro, no Museu Catavento, em São Paulo

por Redação ilustração relógio 3 de novembro de 2022

A primeira vez que a professora Elineide Alves entrará em um museu vai ter um significado muito diferente: sua história é parte do que está exposto. 

A exposição “Encontro com o Porvir: trajetórias de educadores que transformam o presente e constroem o futuro”, além de celebrar os 10 anos de vida do Porvir, também vai contar a história de dez professores inovadores das cinco regiões do Brasil. Elineide é uma delas.

Em Cabrobó, Pernambuco, município onde mora, ainda não existe museu – e esse fato só aumenta a expectativa da professora em relação à homenagem que receberá. A abertura da mostra será no próximo dia 8 de novembro, no Museu Catavento, em São Paulo, e Elineide, junto com os outros nove professores e professoras, serão os primeiros a visitar o espaço. 

“Estou muito feliz e com bastante expectativa de participar dessa experiência como protagonista. Também levo meus alunos para a exposição, mostrando o trabalho que realizaram com todo compromisso e com tanta dedicação. A educação transforma e nos ajuda inclusive em momentos difíceis”, diz a professora. 

Durante o período mais agudo de pandemia causada pela Covid-19, a professora incentivou os estudantes a escrever diariamente como estavam se sentindo. Em um formato de relato autoral, nasceu o “Diário da Pandemia”, fruto do projeto “Vamos escrever juntos?”, registrado aqui no Porvir na seção Diário de Inovações. 

“É algo muito importante e que me deixa feliz. Eu me sinto ainda mais professora e a homenagem reafirma a minha escolha e meu fazer docente. É um presente que não tem preço, tem valor”, conta a professora. 

Leia o relato dela aqui

Quem também está bastante animado para ver uma parte de suas aulas na mostra é o professor Paulo Magalhães, que dá aulas de geografia na EMEF Duque de Caxias, em São Paulo. 

Eleito Professor Nota 10 recentemente, Paulo faz um projeto chamado “Aula pública”, com passeios por diferentes locais do bairro do Glicério, região central da capital paulista. As visitas acontecem, também, em museus e prédios históricos. 

“Já fui inúmeras vezes ao Catavento e já levei muitas turmas para ver várias mostras, mas eu ainda não tenho ideia de como será essa exposição, como será ver a reação dos meus alunos, bem como crianças de escolas públicas e privadas observando esse projeto”, conta Paulo. Ele diz que ainda está “digerindo” a notícia sobre ser parte de uma exposição em um lugar que costuma frequentar.

O professor realiza sua “Aula pública” desde 1988. Nem mesmo a pandemia impediu que ele desse um jeito de levar as ruas para a aula. Durante o período de distanciamento social, ele gravou vídeos em locais variados da cidade e sugeriu aos estudantes que produzissem histórias em quadrinhos sobre os endereços citados. 

Saiba mais sobre a prática do professor Paulo aqui

Paulo também ressalta que figurar entre os homenageados da exposição vai ter um impacto direto em sua prática docente. Para ele, a falta de visibilidade faz com que muitos professores não percebam o próprio impacto de suas ações.

“Eu acho que a mostra vai impactar não somente a nós, professores, mas as pessoas que vão visitar, os alunos, a comunidade e a escola. Quando eu digo comunidade, me refiro até aos professores, pois nem todos eles acreditam muito nessa transformação. E a gente vai trabalhando para que entendam e possam multiplicar todo esse trabalho em sala de aula, nos arredores da escola. Quando eu digo nós, eu falo dos dez professores que estão aí na luta”, comenta Paulo. 

Sandra Cristina Cassiano, que criou o “Caderno de Elogios” também está com a expectativa lá em cima para a abertura da exposição. A professora, que vive em Natal (RN), fez um trabalho para despertar e valorizar a autoestima dos alunos. A proposta era a criação de recados positivos que seriam enviados a diferentes integrantes da comunidade escolar: colegas, funcionários, professores e familiares. 

Leia o relato da professora Sandra

A ideia foi fazê-los reconhecer o próprio potencial e investir na autoconfiança. “Confesso que, além da alegria e da satisfação, eu sinto muito frio na barriga! Estou confiante de que as minhas obras são como uma sementinha lançada em solo fértil, que está germinando. Estou muito feliz”, conta Sandra sobre sua participação na exposição.

Encontro com o Porvir: trajetórias de educadores que transformam o presente e constroem o futuro
Quando: Até 3 de fevereiro

Onde? No Museu Catavento

Endereço: Av. Mercúrio, s/n – Parque Dom Pedro II, São Paulo – SP

Valores: Os ingressos custam a partir de R$ 7,50 (meia-entrada)
e podem ser comprados no site (neste link) ou diretamente na bilheteria.

Às terças-feiras, a entrada é gratuita para todos os visitantes.

Atenção! Professores, coordenadores e diretores, supervisores, quadro de apoio de escolas públicas (federais, estaduais ou municipais) e quadro da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo têm direito à gratuidade. Crianças até 7 anos também não pagam.


TAGS

ensino fundamental, ensino médio, ​​Porvir em 10 anos, tecnologia

Cadastre-se para receber notificações
Tipo de notificação
guest
0 Comentários
Comentários dentro do conteúdo
Ver todos comentários
0
É a sua vez de comentar!x
()
x