Professora mostra como acompanha a aprendizagem durante as aulas remotas - PORVIR
Crédito: upklyak / Freepik

Diário de Inovações

Professora mostra como acompanha a aprendizagem durante as aulas remotas

Nem sempre é possível saber quem está acompanhando a aula ou só deixou o computador ligado. A professora Thalia Di Grassi explica aqui como usa várias ferramentas para entender como os alunos estão progredindo

por Thalía Di Grassi ilustração relógio 29 de julho de 2020

Atuo como professora de Língua e Produção de Texto do Ensino Médio Integrado ao Técnico, no Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein. Faço parte desse novo projeto do Hospital Albert Einstein e sempre tive muita liberdade para planejar todas as minhas atividades. A partir dessa nova realidade de aulas remotas, precisei adaptar todos os materiais do curso para o modelo online. Como eu nunca tinha trabalhado com aulas a distância, não tinha ideia de como isso aconteceria na prática!

Paralelo a tudo isso, também no início do ano, comecei a fazer o curso “ATIVA: Abordagem para tornar visível a aprendizagem”, no Instituto Singularidades. Tivemos apenas a 1ª aula presencial e, logo em seguida, passamos a ter aulas não presenciais. Todas as propostas do curso me ajudaram muito nas adaptações das minhas aulas.

Nesse curso, ministrado pela professora Julia P. Andrade, entrei em contato com ferramentas que eu já conhecia como Kahoot e Mentimeter e com recursos que eu nunca tinha utilizado como, por exemplo: Flipgrid, Jamboard e Padlet. Aprendi sobre a importância de tornarmos o pensamento visível para os alunos e a necessidade da documentação do processo de aprendizagem.

A partir da nova realidade de isolamento social, aulas síncronas, atividades assíncronas e o curso de formação continuada, procurei planejar as aulas apresentando os conteúdos de uma maneira mais leve e dinâmica e, sempre que possível, utilizando uma nova ferramenta. Meu objetivo era tornar as aulas mais interativas e, também, acompanhar o engajamento dos estudantes. Com as aulas online, perdemos um pouco a noção de quem realmente está acompanhando a aula ou só deixou o computador ligado.

Uma das propostas desenvolvidas ao longo do primeiro semestre foi a partir do conceito de paráfrase. Decidi trabalhar com esse tema como uma estratégia de auxiliar os estudantes com a interpretação de diferentes textos. No início dessa sequência de atividades, fiz um levantamento utilizando o Mentimeter. O objetivo desse levantamento era sondar quantos alunos já conheciam o conceito em questão. Essa informação foi apresentada para os alunos e “arquivada”.

Depois de conversarmos sobre a definição de paráfrase e de realizarmos diferentes exercícios sobre o assunto, os alunos foram divididos em grupos. Cada estudante precisava exercer um papel (escriba, repórter, controlador do tempo e harmonizador). O objetivo de cada grupo foi produzir um vídeo utilizando a ferramenta Flipgrid. Nesse vídeo, os alunos precisavam fazer uma comparação entre o que já sabiam e o que aprenderam depois das aulas.

Esse exercício de metacognição foi importante para os alunos perceberem o quanto tinham aprendido durante as aulas, ou seja, foi uma maneira de tornar a aprendizagem visível. A divisão de papéis nos grupos ajudou na organização da preparação da atividade e em uma maior interação entre os estudantes. A necessidade de produzir o vídeo fez com que os alunos perdessem um pouco a timidez de aparecer na frente da câmera. Como feedback (retorno avaliativo) desse trabalho, cada grupo recebeu um “vídeo resposta” sobre o desempenho do grupo. Acredito que atividades como essa contribuem com o processo de aprendizado dos estudantes.

Além da utilização de novas ferramentas, criei, no início do semestre, um blog para as turmas. O objetivo foi estabelecer mais um canal de comunicação com os alunos. Neste espaço, eu disponibilizava materiais, criava desafios e tarefas de casa. As atividades não valiam nota. Com isso, pude acompanhar também como estava a participação dos estudantes nas minhas aulas. O blog representou também importante documentação no processo de ensino-aprendizagem.

No final do semestre, realizei um levantamento para saber quais estratégias e recursos os alunos gostaram mais. Para minha surpresa, os alunos gostam mais de fazer atividades no Kahoot, mas percebem que aprendem mais com os registros realizados no Jamboard. Fiquei surpresa com a escolha do Kahoot, pois era algo que grande parte dos alunos já conhecia de outras escolas. A partir dessas informações, pretendo preparar as atividades do próximo semestre e engajar ainda mais os estudantes nas aulas de Língua e Produção de texto.

Leia mais:
Como fazer a avaliação durante as aulas remotas
Como promover a aprendizagem ativa durante a quarentena


Thalía Di Grassi

É professora de Língua e Produção de Texto do Ensino Médio Integrado ao Técnico, no Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein e psicopedagoga na ABD (Associação Brasileira de Dislexia). Possui formação Letras-Português, psicopedagogia pela PUC-SP e pedagogia pela USP.

TAGS

aprendizagem baseada em projetos, avaliação, coronavírus, educação midiática, educação online, ensino médio, tecnologia

8
Deixe um comentário

avatar
500
4 Comentários ao conteúdo
4 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
5 Autores
Luciana GuimarãesThalíaCecília ToldiGiovanna CruzThalía Di Grassi Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Angela Nico
Visitante
Angela Nico

Excelente matéria. Parabéns professora Thalia.

Thalía Di Grassi
Visitante
Thalía Di Grassi

Muito obrigada, querida Angela!!

Giovanna Cruz
Visitante
Giovanna Cruz

É tão legal ver sua professora e seu colégio num site de notícia desses. Boa Prof!

Thalía
Visitante
Thalía

Obrigada, minha querida!

Cecília Toldi
Visitante
Cecília Toldi

Thalia,
É muito bom ler seu relato!!! Acompanhar seu olhar sensível com pitadas inovadoras!!!
Muitas saudades do tempo em que convivíamos…
Gde bj e muito sucesso em suas práticas!!!

Thalía
Visitante
Thalía

Cecília, querida!! Que saudades de você! Muito obrigada! Gde bjo!

Luciana Guimarães
Visitante
Luciana Guimarães

Adorei a ideia dos papéis de cada um nós grupos. Meus alunos são de 5° ano já fizeram alguns trabalhos, em grupo em salas virtuais separadas. Porém, mesmo indo aos grupos e listando os participantes para ver se estavam todos presentes e trabalhando, não ficou garantida a execução da tarefa e a interação entre eles durante o trabalho. Obrigada por compartilhar sua experiência. Abraços

Luciana Guimarães
Visitante
Luciana Guimarães

… *nos grupos…