Crédito: Patricia Dranoff

Inovações em Educação

Reconhecida internacionalmente como escola inovadora, Projeto Âncora pede socorro

Em crise financeira, instituição pede ajuda para continuar a atender crianças e promover uma educação que vai além do modelo tradicional de ensino

por Vinícius de Oliveira ilustração relógio 20 de fevereiro de 2020

Uma escola internacionalmente reconhecida como inovadora, onde alunos de diferentes idades estudam juntos, desenvolvem projetos de pesquisa de acordo com seus interesses e são orientados por professores e pedagogos. No currículo, que serviu de inspiração para muitas outras escolas e gestores, o conteúdo acadêmico convive com música, informática, esportes, circo, artes e culinária. Há quase 25 anos, esse projeto educacional tem nome, Projeto Âncora, mas por conta de uma crise financeira agora pede socorro.

Criado em 1995 pelo casal Walter Steurer (1940-2011) e Regina Machado Steurer, em Cotia (SP), o Projeto Âncora inicialmente ofereceu atividades de contraturno. Em 2011, o projeto pedagógico contou com a colaboração do educador português José Pacheco, idealizador e ex-diretor da Escola da Ponte. Pacheco começou a trabalhar com a equipe brasileira em 2011 e, no ano seguinte, a instituição começou a funcionar também como uma escola. A estrutura conta com quadras de esportes, refeitórios, pista de skate, jardins e uma biblioteca com mais de 10 mil livros e uma lona de circo que a torna ainda mais diferente das demais escolas.

Leia mais
Projeto Âncora no Guia Personalização do Ensino
– Inspirado na Escola da Ponte, projeto forma educadores para serem mediadores

Inicialmente, a escola era mantida com recursos dos fundadores e seus esforços de captação, entre eles editais da Petrobras e de empresas privadas. A partir de 2015, a crise financeira do país fez os recursos diminuírem. “De 2017 para cá, praticamente não temos entrada de recursos. O Âncora só sobreviveu porque o fundador deixou um fundo que era acessado mensalmente e que um dia acaba”, diz Ana Letícia Maciel, mãe de três alunos e atual diretora-presidente da instituição.

Segundo Ana Letícia, o alerta sobre a suspensão das atividades foi dado na metade de 2019.  Como forma de levantar recursos rapidamente, a escola começou a cobrar mensalidade de novos alunos. “Estabelecer mensalidades não é algo de um dia para o outro. Conseguimos fazer isso no ano passado, mas já estávamos no fundo reserva”.

A expectativa por novas doações no final de 2019 e no início de 2020 não se tornou realidade. “Os valores não chegaram e não pudemos iniciar as aulas”, disse Ana Letícia. Atualmente, as doações que o Âncora recebe de pessoas físicas somam cerca de R$ 10 mil (o que cobre o custo de água, luz, telefone, internet, material de limpeza, material de escritório e gastos com manutenção). Outra parte equivalente, de R$ 9 mil, é proveniente da Nota Fiscal Paulista e é direcionada a gastos com serviços administrativos e de gestão.

“A gente não fechou, mas precisamos encerrar serviços”, diz Ana Letícia. “Manteremos apenas o serviço de oficina de circo porque ganhamos um edital que nos financiará em R$ 3 mil mensais para pagar oficineiros e despesas para a oficina ser oferecida para 60 crianças. A partir dele esperamos retomar pouco a pouco as coisas”, diz.

Desde o começo de dezembro, o Âncora realiza uma campanha de arrecadação de fundos junto ao público, mas como o caixa da organização está perto do fim, os contratos dos profissionais foram rescindidos e todos estão em aviso prévio, que termina no final de fevereiro. Por conta das incertezas, as famílias foram instruídas a procurar matrícula para suas crianças em outras escolas.

Como apoiar o Projeto Âncora

Incentivo fiscal
Via imposto de renda de pessoa física e jurídica, para  você pode doar direto para nós e deduzir no momento da declaração.  Por meio do Incentivo Fiscal, pessoas físicas podem doar até 6% do imposto de renda devido no momento da declaração. Empresas que têm como regime de tributação o lucro real, podem declarar o valor doado como despesa operacional e ainda podemos captar pelo FUCONDI (Cotia Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente). Veja o passo a passo.

Campanha de financiamento coletivo
Com 10.000 pessoas doando R$ 20 por mês, o Projeto Âncora conseguirá manter suas atividades. Escolha o plano.

Nota Fiscal Paulista
O programa Nota Fiscal Paulista, do Governo do Estado de São Paulo, prevê a doação automática de créditos para uma entidade social autorizada. É necessário ter cadastro no sistema de nota fiscal e dar o seu CPF na hora da compra. Acesse e escolha o Projeto Âncora como instituição de destino. Mais detalhes no site do governo de São Paulo

Transferência Bancária
Banco Itaú S/A – Agência: 3218 – Granja Vianna – Conta Corrente: 00970-6
Banco Bradesco – Agência 2384 – Granja Vianna – Conta Corrente: 5239-6
CNPJ: 00.860.895/0001-34

Conheça o Projeto Âncora na série documentário “Destino Educação – Escolas Inovadoras”, uma parceria do Canal Futura com o Porvir


TAGS

aprendizagem baseada em projetos, autonomia, competências para o século 21, educação infantil, ensino fundamental, escolas inovadoras