Robótica conecta aprendizados e rende prêmios a escola rural - PORVIR
Crédito: Flavia Moreira

Diário de Inovações

Robótica conecta aprendizados e rende prêmios a escola rural

Professora de Mogi das Cruzes (SP) detalha como começou um projeto com sucata e o desenvolveu a ponto de hoje formar equipes para disputar olimpíadas

por Flávia Moreira dos Santos ilustração relógio 1 de fevereiro de 2017

No final do ano de 2012, ganhei o Prêmio Educadores Inovadores da Microsoft Brasil, na categoria “Uso Avançado da Tecnologia Microsoft” com a proposta de construção de brinquedos robóticos com materiais recicláveis e reutilizáveis que podem ser controlados pelo computador, por meio de um programa de operações matemáticas, sendo classificada para apresentar o projeto no Fórum Global Microsoft Parceiros na Aprendizagem em Praga, República Tcheca. Neste fórum, conheci muitos trabalhos que traziam questões voltadas para área de computação, como o trabalho da professora Nicki Cooper que utilizava o Kodu em sala de aula.

Kodu é um ambiente de programação visual, que possibilita a criação de jogos tridimensionais, desenhado para ser acessível para crianças e divertido para qualquer um. O projeto foi utilizar o Kodu Game Lab para melhorar a aprendizagem e ajudar na alfabetização de crianças da escola primária com foco em programação. Este projeto recebeu o prêmio na categoria “Uso da Tecnologia para a Aprendizagem” no Microsoft Partners in Learning Fórum Global em 2012.

Gosta desses assuntos? Conheça os especiais do Porvir
– Personalização do ensino
– Tecnologia na Educação
– Educação Mão na massa

Diante deste cenário tecnológico e em minhas pesquisas, encontrei outros programas que permitem introduzir a computação para crianças, como Alice, Light-Bot, Tynker, Scratch e outros.  Dentre eles, o que me chamou bastante a atenção foi o Scratch. Este programa, desenvolvido pelo MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts)  e liderado pelo professor Dr. Mitchel Resnick, permite aprender conceitos de lógica de programação por meio da criação de jogos, animações, histórias interativas utilizando blocos visuais que só precisam ser combinados – tal como num brinquedo Lego – para dar vida a projetos.

 

Em 2013, comecei a aplicar introdução a computação para os alunos do 3º ano do ensino fundamental 1 nas aulas de informática no período de contraturno da Escola Municipal Fujitaro Nagao, em Mogi das Cruzes (SP), uma escola de zona rural em que cerca de 90% dos alunos não possuem computadores em suas residências. A escola parecia a mesma do tempo que eu estudava, com a mesma exposição de carrinhos de sucata. Eu percebi que poderia fazer diferente.

Para iniciar o trabalho, deixei as crianças explorarem o Scratch e percebi que muitas crianças descobriram como desenhar no ambiente, inserir personagens, apagar, aumentar e reduzir. Na segunda aula, mostrei alguns blocos de comandos para realizar animações e elas ficaram encantadas com o que estava acontecendo.

O mais interessante dessa ferramenta é que as atividades podem ser realizadas por qualquer docente que se interesse, pois ela traz muitas possibilidades de aplicação. O trabalho acontece de forma multidisciplinar. Então, comecei a trabalhar com atividades temáticas, como energias renováveis, extinção de animais, acessibilidade e outros. As figuras abaixo mostram algumas animações desenvolvidas pelos alunos. Para tornar a proposta mais interessante, associei as atividades com as diretrizes curriculares nacionais de ciências e inclui no processo a robótica educacional utilizando o Kit Lego Wedo (financiado por parceria com instituição social). Com ele, os alunos podem criar brinquedos robóticos motorizados e controlar facilmente pelo Scratch. As figuras abaixo mostram algumas animações desenvolvidas pelos alunos.

diario_inovacoes_telasCrédito: Flavia Moreira

Neste ambiente, as crianças são completamente envolvidas, desafiadas e motivadas a construir seus brinquedos e consequentemente se tornam mais confiantes para fazer perguntas, mostrar soluções e compartilhar. A utilização da ciência da computação e da lógica do raciocínio na educação contribui pedagogicamente para despertar a capacidade de criação e criticidade no aluno que nasceu dentro da cultura da tecnologia. Para a nossa escola, fica evidente que nossa experiência se torna cada vez mais importante, uma vez que nossos alunos são motivados a criar e explorar esse universo. E partir dessa filosofia de trabalho, em 2015, quatro alunos, com nove anos de idade, participaram da Olimpíada Brasileira de Robótica e conseguiram ficar em 3º lugar na etapa regional, e na estadual em 14º, conquistando o prêmio de melhor escola pública.


Flávia Moreira dos Santos

É formada em engenharia de computação e atua como orientadora de informática há seis anos na escola Escola Municipal Fujitaro Nagao, em Mogi das Cruzes (SP), com crianças do Infantil 3 até o ensino fundamental 1. Trabalha com robótica com os alunos do 3º aos 5º anos e também desenvolve jogos educacionais

TAGS

competências para o século 21, educação infantil, ensino fundamental, escolas rurais, interdisciplinaridade, microsoft, mit, programação, robótica, scratch, tecnologia

1
Deixe um comentário

avatar
500
1 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
1 Autores
Karen Andrade Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Karen Andrade
Visitante
Karen Andrade

Flávia, que orgulho te reencontrar nesta reportagem! Em 2012, fiz parte da comissão que selecionou seu projeto no Prêmio Educadores Inovadores da Microsoft Brasil. Parabéns pela conquista e por acreditar na integração da tecnologia na educação.