Com ajuda de filtros e vídeos, professora trabalha alfabetização online no ensino fundamental - PORVIR
Crédito: Hakase_/iStockPhoto

Diário de Inovações

Com ajuda de filtros e vídeos, professora trabalha alfabetização online no ensino fundamental

Em aulas remotas, Viviane Ferreira conta com colaboração de famílias e prioriza afeto e acolhimento para dar continuidade ao processo de alfabetização

por Viviane Cristina de Moraes Ferreira ilustração relógio 14 de abril de 2020

Desde o começo do ano eu sempre realizo muitas reuniões com as famílias porque o período de alfabetização é muito delicado. Acho que o acolhimento é uma das principais ferramentas para alfabetizar. Quando veio toda a questão do coronavírus, ficamos pensando como ia ser. Uma das coisas que comentei com a minha orientadora era que precisávamos dar um jeito de continuar a troca de afetos e sensibilidade mesmo que fosse online, porque a minha prioridade são as crianças. Ao mesmo tempo que algumas já estão apropriadas da leitura e escrita, outras não estão. Então pensamos em maneiras para que eu pudesse me comunicar com todo mundo, para que ninguém se sentisse diferente.

O caminho que encontrei foi gravar vídeos. Tento fazê-los de uma maneira muito leve para que os alunos consigam me compreender. Faço brincadeiras que fazia em sala de aula, uso os filtros para o rosto das redes sociais e vou mexendo na ferramenta, já que também estou aprendendo junto com eles. Tudo para que se sintam o mais confortável possível do outro lado da tela e felizes de estar me vendo.

Nesse primeiro momento, o meu combinado com as famílias foi apenas deixar que as crianças assistissem aos vídeos, pois como falo de maneira muito clara e simples, elas saberiam o que fazer. Antes disso, eu tinha pouca familiaridade com tecnologia. Foi agora que aprendi a gravar um vídeo, a editar, colocar uma música de fundo. Meus dias têm sido bem longos em razão disso. Fico o tempo todo estudando e me aprimorando, porque a parte de tecnologia realmente não era o meu forte. Outra coisa que aprendi foi a postar o link do vídeo que subo no YouTube diretamente no aplicativo que a escola usa para o contato com famílias do primeiro ano do ensino fundamental.  Minha preocupação tem sido atingir os estudantes em pequenos grupos porque, quando falamos de alfabetização, nem todos estão lendo, escrevendo e fazendo interpretação ao mesmo tempo.

Leia mais:
O coronavírus e a educação online
Como é possível discutir o coronavírus por diferentes ângulos na escola
Como aproximar as Competências Gerais da BNCC de currículos e práticas
Baixe infográfico sobre as 10 Competências Gerais da BNCC

Em ciências, estamos trabalhando os animais. Na semana passada, por exemplo, eles fizeram uma pesquisa sobre os animais e apresentaram o que descobriram divididos em pequenos grupos em uma reunião no aplicativo Meet. Fui anotando os nomes de animais que eles mais se identificavam, variando entre palavras polissílabas, trissílabas, dissílabas e monossílabas. Em seguida, reuni cada grupo e fiz sondagens com os estudantes, onde eles deveriam escrever uma palavra e depois ler para mim. Esse é o nosso processo de diagnóstico, algo que já realizávamos mensalmente em sala para que eu pudesse ver a evolução de cada estudante e em quais áreas preciso avançar com cada um para que todos se alfabetizem. Portanto, é algo com que já estão acostumados.

Para aqueles que não conseguem acompanhar, eu faço uma rodada nesse grupo menor perguntando onde precisam de ajuda. Devemos ter esse olhar e sensibilidade para poder ajudar as crianças e também falar com as famílias, para que todos sintam-se acolhidos. O maior desafio nisso tudo é prender a atenção dos alunos e fazer com que eles me escutem. Como estou de um lado da tela e eles do outro, minha preocupação é “será que estou chegando até eles, será que estão me entendendo?”.

Nesse sentido, a devolutiva das famílias é fundamental. Tudo é feito com muito combinado com os pais. Algumas famílias ainda são bem resistentes a todo esse movimento, alegando que as crianças ainda são pequenas e não entendem direito. Mas o meu combinado é que devemos caminhar com a alfabetização e continuar com o que estávamos fazendo em sala de aula, mesmo que à distância.

Os pais sempre sabem o que vai acontecer pois comunico meu planejamento semanal a eles. Hoje, por exemplo, recebi mensagens de algumas famílias que estão vendo a evolução dos filhos, dizendo que o trabalho está bacana e que a criança sente mais segurança ao escrever quando vê a “prô” do outro lado da tela. Além de termos um horário para que os pais tirem dúvidas, eles também enviam fotos e vídeos das atividades e eu sempre dou um retorno, para que a criança se sinta estimulada e a família não se sinta sozinha.

Acredito que quando fazemos com amor aquilo que a gente gosta, pensando no serzinho que está do outro da tela, vale a pena. Sou alfabetizadora há 20 anos e não sei fazer outra coisa. Esse é um momento de parceria e afeto, e sem o vínculo da professora com a família, não acho possível um trabalho que dê retorno positivo para quando nós voltarmos a nos encontrar.

 


Viviane Cristina de Moraes Ferreira

Leciono há 21 anos. Sou graduada em pedagogia e pós-graduada em psicopedagogia. Minha área de atuação sempre foi com as séries iniciais. Trabalhei na educação infantil mas minha grande paixão é a alfabetização. Nela, já estou há aproximadamente 17 anos.

TAGS

aplicativos, coronavírus, dispositivos móveis, ensino fundamental, tecnologia, videoaulas

7
Deixe um comentário

avatar
500
7 Comentários ao conteúdo
0 Respostas a comentários
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Comentário em alta
7 Autores
PollyanaEdnalva Fernandes AraújoNancy IzzoMarley Simões da Silveiravera lúcia o.reis Quem acabou de comentar
  Acompanhar a discussão  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Tipo de notificação
Mônica Rodrígues
Visitante
Mônica Rodrígues

Olá.
Sou professora e senti a necessidade de ter esse contato com as crianças o que me impede realmente é a timidez de enviar vídeos onde eu esteja falando. Parabéns .

Suzana Kátia de Assunção Machado
Visitante
Suzana Kátia de Assunção Machado

Parabéns, Viviane!!! também estou lecionando para o 1ºano e depois de mais de 15 anos no 5ºano, tem sido um desafio enorme alfabetizar.É difícil, mas prazeroso, pois as descobertas e conquistas são comemoradas por eles e por nós!!! Gratidão pelo compartilhamento de ideias e amor pelo que faz, minha querida companheira de luta!!!

vera lúcia o.reis
Visitante
vera lúcia o.reis

muito bom,linguagem simples e objetiva.

Marley Simões da Silveira
Visitante
Marley Simões da Silveira

Muito legal , a utilização da tecnologia para incentivar e se aproximar mais dos alunos, que já fazem parte e são atuantes deste mundo tecnológico.

Nancy Izzo
Visitante
Nancy Izzo

Parabéns porvir é realmente a série mais difícil no ensino virtual

Ednalva Fernandes Araújo
Visitante
Ednalva Fernandes Araújo

Diante da.minha necessidade de aprender mais para.conseguir melhorar minhas práticas no ensino

Pollyana
Visitante
Pollyana

Muito bom !! Já compartilhei com nossa equipe aqui 👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼

X